Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Internacional

17 Fevereiro de 2017 | 10h01 - Actualizado em 17 Fevereiro de 2017 | 10h01

Malásia exige mostras de DNA para liberar corpo de meio-irmão de líder norte-coreano

Kuala Lumpur - O corpo do meio-irmão do dirigente norte-coreano Kim Jong-un, assassinado na Malásia, não deixará o país se a família não fornecer mostras de DNA, advertiu o governo de Kuala Lumpur, apesar do pedido de restituição de Pyongyang.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

             

Médicos legistas malaios tentam esclarecer o homicídio de Kim Jong-nam cometido na segunda-feira, que Seul atribui a agentes norte-coreanos.
               
Os especialistas analisavam nesta sexta-feira mostras retiradas do cadáver para poder determinar a substância tóxica que, ao que parece, foi lançada contra o rosto de Kim Jong-nam quando pretendia embarcar em um avião no aeroporto internacional de Kuala Lumpur.
               
Diplomatas norte-coreanos discordaram da autópsia, de acordo com autoridades malaias, mas Kuala Lumpur permaneceu firme e advertiu que o corpo não será restituído a Pyongyang antes da conclusão do processo.
               
"Até o momento, nenhum membro da família, ou pessoa próxima, veio para identificar, ou reclamar o corpo. Precisamos de mostras de DNA de um membro da família para estabelecer o perfil da pessoa falecida", declarou Abdul Samah Mat, chefe de polícia do estado de Selangor, onde fica o aeroporto.
               
"A Coreia do Norte fez um pedido para a restituição do corpo, mas antes de entregá-lo precisamos identificar o corpo", acrescentou.
               
Os funcionários do laboratório que examinam o sangue e pedaços da roupa da vítima "farão a análise o mais rápido possível", afirmou Cornelia Charito Siricord, do departamento de Química no ministério malaio das Ciências.
               
A polícia interroga duas mulheres suspeitas, uma com passaporte vietnamita e outra com passaporte indonésio, assim como o namorado desta última, um malaio.
               
Kim Jong-nam, 45 anos, foi atacado na segunda-feira por duas mulheres que supostamente jogaram um líquido em seu rosto quando estava no aeroporto, onde pretendia embarcar para Macau, uma região administrativa da China onde viveu durante anos exilado. Ele faleceu pouco depois, quando era levado para o hospital.
               
               
           
A Coreia do Sul acusa o vizinho do Norte como responsável pelo crime e cita uma "ordem permanente" do ditador Kim Jong-un para eliminar o seu meio-irmão e uma tentativa frustrada de assassinato em 2012, depois que Kim Jong-nam criticou o regime mais fechado do mundo.
               
Pyongyang não emitiu nenhuma declaração sobre o homicídio, mas diplomatas norte-coreanos expressaram contrariedade à realização da autópsia.
               
Correspondentes da AFP em Pyongyang constataram que as celebrações de quinta-feira por ocasião do aniversário de nascimento de Kim Jong-il, o falecido pai do actual dirigente e do homem assassinado na Malásia, aconteceram sem qualquer referência à morte de Kim Jong-nam.
              
A polícia malaia prendeu na quarta-feira uma mulher de 28 anos, com passaporte vietnamita, sob a identidade de Doan Thi Huong. De acordo com a imprensa local, as imagens das câmaras de segurança mostram que a suspeita vestia uma camisa branca com as letras "LOL".
               
Os investigadores prenderam em seguida Muhamad Farid Bin Jalaluddin, um malaio de 26 anos. Isto levou a polícia a deter a namorada deste último, Siti Aishah, uma indonésia de 25 anos, a segunda suspeita.
               
Jacarta confirmou que a mulher é uma cidadã indonésia e que diplomatas forneceram ajuda consular.
               
Kim Jong-nam, que chegou a ser considerado por algum tempo o sucessor do governo, caiu em desgraça em 2001, quando protagonizou um incidente constrangedor par ao governo comunista. Ele foi detido no aeroporto de Tóquio com um passaporte falso da República Dominicana. Na ocasião, afirmou que pretendia visitar a Disneyland.
               
Desde então viveu no exílio com a sua família em Macau, Singapura ou na China. Viajou diversas vezes para Banguecoque, Moscovo e alguns países da Europa.
               
   

Assuntos Crime   Diplomacia  

Leia também
  • 17/02/2017 09:56:30

    Polícias que agrediram manifestante em Hong Kong condenados a dois anos de prisão

    Hong Kong - Sete polícias de Hong Kong foram condenados nesta sexta-feira a dois anos de prisão por uma agressão a um manifestante pró-democracia durante os protestos de 2014, um ataque que foi registado em vídeo e que provocou revolta em todo o mundo.

  • 16/02/2017 19:42:11

    MNE russo diz não querer interferir nos assuntos dos EUA

    Bonna - A Rússia não interfere "nos assuntos internos de outros países", assegurou nesta quinta-feira o ministro russo dos Negócios Estrangeiros Sergei Lavrov, pouco antes do seu primeiro encontro com o seu homólogo americano, Rex Tillerson, à margem de uma reunião do G20.

  • 16/02/2017 18:19:51

    Incerteza no G20 por enfoque da nova diplomacia dos EUA

    Bonna - O secretário de Estado americano, Rex Tillerson, começou nesta quinta-feira, em Bonna (Alemanha) a reunir-se com os seus homólogos das grandes potências mundiais, no contexto de um G20 sobre o qual recai a incerteza pelo rumo da nova diplomacia norte-americana.