Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Internacional

07 Dezembro de 2017 | 20h07 - Actualizado em 08 Dezembro de 2017 | 18h50

Diplomata afirma que Trump prejudica processo de paz israelo-palestiniano

Luanda - O embaixador da Palestina em Angola, Najah Al Rhman, considerou hoje, em Luanda, que a decisão do presidente Donald Trump de reconhecer Jerusalém como capital de Israel e a consequente transferência da embaixada dos EUA para esta cidade vai prejudicar o processo de paz no Médio Oriente.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Najah Al Rhman - Embaixador da Palestina em Angola

Foto: Rosario Santos

Em declarações à Angop, o diplomata palestiniano afirmou que o seu governo sempre manifestou disposição em relação ao reinício das negociações com Israel, sob os auspícios do presidente Trump, como inicialmente previsto, mas este tem vindo a perder a sua confiança  devido as suas posições duvidosas.

Najah Al Rhman sublinhou que esta decisão, além de violar as resoluções internacionais, não ajuda à reconciliação, e demonstra que Donald Trump está insensível ao sofrimento do povo palestiniano, "vítima permanente de maus tratos por parte dos israelitas".

"Sempre denunciamos as circunstâncias difíceis que pesam sobre o
povo palestiniano devido à ocupação do nosso território por parte de Israel, e isto aponta que Donald Trump é cúmplice desta situação", acrescentou o embaixador palestiniano.

"O único país até agora colonizado é a Palestina. Os EUA não estão dispostos que haja paz no nosso território. O Estado hebreu continua a violar as convenções internacionais, negando todas as iniciativas da comunidade internacional, tudo isso com o apoio norte-americano", indicou.

Segundo avançou, o povo palestiniano não cruzará os braços diante desta situação, pedindo ajuda à comunidade internacional no sentido de contornar a ideia de Donald Trump, garantindo assim a soberania da Palestina como um Estado independente e com Jerusalém Oriental como capital.

Jerusalem Oriental, é ocupada por Israel desde a guerra dos seis dias em 1967. A área foi anexada em 1980 após uma decisão unilateral israelita que não foi reconhecida pela comunidade internacional.  

Actualmente, todos os países mantém as suas embaixadas e demais representações diplomáticas em Tel Aviv.

Donald Trump reconheceu na quarta-feira esta cidade como capital de Israel, facto que está a gerar uma onda de condenalções da comunidade internacional e protestos em várias partes do mundo.

Além disso, os EUA, através de Donald Trump, tornam-se no único país do mundo a tomar tal decisão, rompendo com várias décadas de neutralidade neste sentido, apesar de críticas da comunidade internacional.

Assuntos Política  

Leia também
  • 08/11/2018 11:06:10

    Bolsonaro e Temer prometem transição 'fluida'

    Brasília - O presidente eleito Jair Bolsonaro e o actual chefe de Estado, Michel Temer, prometeram, nesta quarta-feira, em Brasília, uma transição "fluida" entre os seus governos.

  • 05/11/2018 11:09:49

    Família de Asia Bibi pede asilo ao Reino Unido, Canadá e Estados Unidos

    Islamabad - A família da cristã Asia Bibi, absolvida quarta-feira de uma condenação à morte por blasfémia pelo Supremo Tribunal do Paquistão, pediu asilo ao Reino Unido, Canadá e Estados Unidos por motivos de segurança, noticiou hoje a Lusa.

  • 03/11/2018 12:20:49

    Obama define plano militar de Trump na fronteira como "truque político"

    Miami - O ex-presidente dos Estados Unidos Barack Obama denunciou nesta sexta-feira (2) como um "truque político" o plano de Donald Trump de enviar milhares de soldados à fronteira com o México para impedir a entrada de imigrantes no país.

  • 03/11/2018 12:11:51

    Maduro qualifica sanções dos EUA de 'criminosas e loucas'

    Caracas - O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, qualificou nesta sexta-feira de "criminosas e loucas" as sanções impostas pelos Estados Unidos contra as suas exportações de ouro, afirmando que prejudicam mais o empresariado do que o Estado.