Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Internacional

21 Março de 2017 | 00h07 - Actualizado em 21 Março de 2017 | 00h07

FBI investiga possível coordenação entre equipe de Trump e Rússia

Washington - O director do FBI, James Comey, confirmou pela primeira vez nesta segunda-feira uma investigação conduzida desde o ano passado sobre uma possível "coordenação" entre integrantes da campanha de Donald Trump e o governo russo antes das eleições presidenciais.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Comey também refutou publicamente Trump, que acusou no Twitter o seu antecessor Barack Obama de grampear os telefones da Trump Tower durante a campanha eleitoral.

Enquanto Trump tacha os supostos laços de sua equipe com Moscovo de "notícias falsas", Comey quebrou o tradicional silêncio do FBI ao confirmar que sua agência está interessada em se aprofundar na complexa polêmica russa que circunda a presidência do magnata.

O FBI "está investigando os esforços do governo russo para interferir na eleição presidencial de 2016", declarou Comey durante a sessão, transmitida por várias emissoras.

Comey assinalou que "isso inclui investigar a natureza dos laços entre indivíduos associados à campanha de Trump e o governo russo, e se houve alguma coordenação entre a campanha e os esforços da Rússia".

Declarou que a investigação remonta à Julho de 2016, em plena campanha, quando o governo soube que hackers estavam atacando os terminais e meios de comunicação do Partido Democrata.

Mas se recusou a citar nomes ou adiantar a raiz destas relações entre algumas pessoas do entorno de Trump e do governo russo.
               
"Investigar e ter provas são duas coisas diferentes", comentou o porta-voz da Casa Branca, Sean Spicer.

"Nada mudou", acrescentou. "Funcionários de alto escalão da Inteligência declararam publicamente que não há evidências de um conluio Trump-Rússia", expressou.

A declaração de Comey confirmou semanas de relatos divulgados nos meios de comunicação americanos, segundo os quais a Polícia Federal investigava a acusação de que a surpreendente vitória de Trump sobre a democrata Hillary Clinton foi ajudada pela Rússia.

Em Janeiro, a Inteligência americana concluiu que a Rússia tentou interferir nas eleições de Novembro a favor de Trump, o que Moscovo nega.

Assuntos Internacional  

Leia também
  • 20/03/2017 23:57:40

    Milícias curdas da Síria afirmam que serão treinadas pela Rússia

    Qamishli, Síria - As milícias curdas na Síria receberão treinamento militar das forças russas após a assinatura de um acordo entre as duas partes, anunciou nesta segunda-feira à AFP um porta-voz das Unidades de Protecção do Povo Curdo (YPG).

  • 20/03/2017 23:54:35

    Guterres planea substituir missão da ONU no Haiti

    Nações Unidas, Estados Unidos - O secretário-geral das Nações Unidas, Antonio Guterres, quer acabar com a missão dos capacetes azuis no Haiti até Outubro próximo, substituindo o actual contingente por uma força menor, revela um relatório ao qual a AFP teve acesso nesta segunda-feira.

  • 20/03/2017 06:19:44

    Timor-Leste: Eleitores vão às urnas para escolher novo presidente do país

    Bangcoc - Mais de 740 mil timorenses estão convocados a comparecer às urnas hoje, segunda-feira, para eleger o próximo presidente do país em eleições, as quartas desde a independência de 2002, nas quais o candidato da coligação governante parte como favorito.