Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Internacional

18 Maio de 2017 | 15h57 - Actualizado em 18 Maio de 2017 | 15h57

Presidente Michel Temer tenta salvar seu mandato

Brasília - O presidente Michel Temer tentava nesta quinta-feira segurar o seu mandato e manter o curso das reformas de austeridade, apesar das novas acusações de corrupção que podem agravar a crise política e económica no país.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Brasil: Michel Temer, Presidente

Foto: Andressa Anholete


O país acordou na incerteza, enquanto a Polícia Federal realizava operações desde as primeiras horas da manhã em Brasília, Rio de Janeiro e Belo Horizonte.

A grave crise política é acompanhada de uma recessão histórica, que o actual governo tenta reduzir por meio de medidas de austeridade impopulares, incluindo a reforma do sistema previdenciário, cuja aprovação pelo Parlamento corre o sério risco de ser travada por este novo escândalo.

Temendo um possível movimento de pânico dos investidores, o Banco Central publicou nesta quinta-feira um comunicado no qual garante "acompanhar a situação e agir para manter o bom funcionamento dos mercados".

De acordo com o jornal O Globo, os donos do frigorífico JBS, Joesley e Wesley Batista, gravaram o presidente concordando com o pagamento de subornos para comprar o silêncio de Eduardo Cunha, ex-presidente da Câmara dos Deputados, actualmente preso por envolvimento no mega-escândalo da Petrobras.
        
Numa gravação de Março, Joesley diz a Temer que pagava a Eduardo Cunha e ao operador Lúcio Funaro uma mesada para que permanecessem calados na prisão. Diante dessa informação, Temer diz, na gravação: "tem que manter isso, viu?".
              
Estas revelações tiveram o efeito de uma bomba atómica, com muitos partidos da oposição exigindo a renúncia imediata do presidente e dezenas de manifestantes marchando pelas ruas entoando "Fora Temer".

Atingida pela crise e uma taxa de desemprego acima de 14 porcento, a população está exasperada com os inúmeros escândalos envolvendo toda a classe política, incluindo vários ministros do governo Temer.

As operações de busca e apreensão da PF e do Ministério Público Federal visavam particularmente várias propriedades do senador Aécio Neves, candidato derrotado na última eleição presidencial frente a Dilma Rousseff, também alvo de uma gravação comprometedora citada por O Globo.

De acordo com a imprensa, o seu mandato no Senado foi suspenso pelo Supremo Tribunal e a Procuradoria Geral solicitou a sua prisão. A sua irmã já foi detida em Belo Horizonte, de acordo com o site de notícias G1.

Joesley Batista entregou às autoridades uma outra gravação em que Aécio Neves pede 2 milhões de reais em propina.

O jornalista que obteve o furo, Lauro Jardim, disse à rádio CBN que não ouviu pessoalmente as gravações, mas que teve acesso a "uma descrição mais detalhada possível". Segundo ele, foram apresentadas às autoridades como parte de um acordo de delação premiada.
             
A empresa JBS esteve envolvida em Março no escândalo da carne adulterada. Maior exportador mundial de carne, o Brasil enfrentou um embargo total ou parcial de vinte países, com duras negociações para obter a reabertura progressiva dos mercados.
        

Assuntos Política  

Leia também
  • 18/05/2017 17:56:38

    Israel desclassifica milhares de arquivos da Guerra dos Seis Dias

    Jerusalém - Israel desclassificou nesta quinta-feira milhares de documentos oficiais que datam da Guerra dos Seis Dias e que relatam as discussões das autoridades israelitas sobre o futuro da Cisjordânia, cuja ocupação há 50 anos é o centro do conflito entre israelitas e palestinianos.

  • 18/05/2017 08:43:55

    México se compromete a proteger jornalistas e a acabar a impunidade

    México - Pressionado pela indignação provocada pelo assassinato na semana de Javier Valdez, famoso repórter no México, o presidente Enrique Peña Nieto abordou na quarta-feira, pela primeira vez, a violência contra os jornalistas, e comprometeu-se a garantir a sua segurança e a combater a impunidade, informou a AFP.

  • 18/05/2017 08:28:37

    EUA: O inferno de Trump

    Washington - Pouco antes de completar quatro meses na Casa Branca, Donald Trump enfrenta várias crises, informou a AFP.