Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Internacional

08 Junho de 2017 | 10h13 - Actualizado em 08 Junho de 2017 | 10h13

Orçamento militar do Canadá vai aumentar 70 por cento nos próximos dez anos

Otawa - O Canadá vai aumentar em 70 por cento o orçamento militar na próxima década, anunciou o Governo na quarta-feira, um dia depois de revelar um novo ideário político que prevê a redução da dependência dos EUA em matéria de defesa, constatou a Reuters.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

"Se queremos ser sérios sobre o papel do Canadá no mundo, temos de ser sérios sobre o financiamento das suas forças militares", afirmou o ministro da Defesa canadiano, Harjit Sajjan, quando apresentou o novo programa militar em Otava.

A ministra dos Negócios Estrangeiros canadiana, Chrystia Freeland, revelou na quarta-feira os novos guiões de política externa do país nos quais se reconhece que a chegada de Donald Trump à presidência dos Estados Unidos das América exige que o Canadá assuma um papel mais activo na cena internacional e uma menor dependência em assuntos de defesa relactivamente ao país vizinho.

Segundo os planos apresentados por Sajjat, o Canadá destinará 1,4 por cento do Produto Interno Bruto (PIB) às forças militares no período 2026-2027, face aos actuais 1,19 por cento.

O orçamento para as Forças Armadas passará de 18,9 mil milhões dólares canadianos (12,4 mil milhões de euros) no ano fiscal de 2016-2017, para 32 mil e 700 milhões de dólares canadianos (21,5 mil milhões de euros) em 2026-2027.

O plano do Governo canadiano também sublinha que aumentará a presença das mulheres nas Forças Armadas a um ritmo de um por cento por ano, para que em 2026 representem 25 por cento do total de efectivos.

Otava também quer aumentar os efectivos das forças especiais.

Assuntos Governação  

Leia também