Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Internacional

14 Setembro de 2017 | 09h46 - Actualizado em 14 Setembro de 2017 | 09h46

Chefe da ONU pede que Myanmar suspenda operações contra rohingyas

Nações Unidas, Estados Unidos - O secretário-geral da ONU, António Guterres, pediu na quarta-feira que Myanmar suspenda as suas operações militares contra a minoria rohingya, que já provocaram a fuga de 400.000 para o Bangladesh, noticiou a AFP.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

"Faço um apelo às autoridades de Myanmar para que suspendam as actividades militares e a violência, e que respeitem a lei", declarou
Guterres, durante uma conferência de imprensa.

Quando perguntado por um jornalista se a actual crise seria uma limpeza étnica, Guterres respondeu: "quando um terço da população
rohingya deve fugir do país, vocês acham que podem encontrar uma palavra melhor para descrever" a situação?!

Assuntos Conflito  

Leia também
  • 12/09/2017 17:42:31

    Militares russos afirmam que 85 porcento da Síria está livre do EI

    Moscovo - O chefe das forças russas na Síria, Alexander Lapin, afirmou nesta terça-feira que 85 porcento do território sírio está livre de combatentes do Estado Islâmico (EI), como resultado das operações realizadas na semana passada pelo exército do país com o apoio da aviação russa.

  • 12/09/2017 14:26:01

    Êxodo dos rohingyas de Mianmar divide comunidade internacional

    Cox's Bazar, Bangladesh - As discrepâncias internacionais sobre a situação dos rohingyas de Mianmar acentuavam-se nesta terça-feira (12), enquanto o êxodo maciço para Bangladesh permanece.

  • 11/09/2017 17:37:25

    Mais de 300 mil rohingyas fugiram para Bangladesh

    Cox's Bazar, Bangladesh - O número de muçulmanos rohingyas que se refugiaram em Bangladesh para fugir da violência em Mianmar superou a barreira de 300.000 em pouco mais de duas semanas, anunciou a ONU, que denunciou "exemplo clássico de limpeza étnica".