Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Internacional

13 Setembro de 2017 | 11h07 - Actualizado em 13 Setembro de 2017 | 11h07

França: Presidente da Comissão Europeia quer aproveitar momento para estimular a UE

Estrasburgo, França - O presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, disse hoje, quarta-feira, que é necessário aproveitar o "vento em popa" para impulsionar o bloco europeu, que começa a recuperar-se da crise económica e orientar a questão migratória, apesar do Brexit, adiantou a AFP.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Presidente da Comissão Europeu, Jean-Claude Juncker

Foto: EMMANUEL DUNAND/arquivo

"A Europa tem de novo o vento em popa. Temos agora uma janela de
oportunidade aberta, mas esta não vai permanecer sempre aberta", afirmou Juncker no Parlamento Europeu em Estrasburgo (nordeste da França), durante o discurso anual sobre o Estado da União Europeia.

 "Vamos aproveitar o momento, pegar o vento em nossas velas", disse o ex-primeiro-ministro luxemburguês, de 62 anos, que tem mandato no Executivo europeu até finasl de 2019.

Desde o seu último discurso do Estado da UE, há 12 meses, a crise migratória parece orientada, as economias dos países europeus apresentam índices de crescimento e a chegada de Donald Trump à Casa Branca transformou os 28 países do bloco em defensores do livre comércio.
    
O impacto inicial da vitória do Brexit no referendo britânico de Junho 2016 se traduziu em negociações de separação entre os dois lados. E as eleições mais recentes em países como França e Holanda terminaram com derrotas dos eurocépticos.

A crise migratória, no entanto, abriu uma crise com os países do leste do bloco, mais relutantes a abrigar os refugiados, especialmente Polónia e Hungria, cujos governos são criticados por Bruxelas pelas suas políticas consideradas contrárias ao direito da UE.
    

Assuntos Comissão  

Leia também