Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Internacional

09 Fevereiro de 2018 | 20h03 - Actualizado em 09 Fevereiro de 2018 | 20h03

Babá chinesa é condenada à morte por provocar incêndio fatal

Xangai - Uma babá foi condenada nesta sexta-feira à pena de morte na China por ter provocado voluntariamente um incêndio em que morreram uma mulher e seus três filhos, um caso que chocou o país.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Bandeira da China

Foto: Google divulgação


Um tribunal da cidade de Hangzhou, no leste da China, considerou que Mo Huanjing, de 35 anos, havia incendiado deliberadamente, em Junho, a residência da família para quem trabalhava como empregada doméstica.

O drama provocou comoção na China e teve grande cobertura na imprensa.

A babá foi apresentada como uma jogadora viciada que em várias ocasiões roubou dinheiro dos seus patrões para pagar as suas crescentes dívidas.

Segundo o tribunal, Mo confessou haver ateado fogo na sala do apartamento, no 18º andar de um edifício residencial de Hangzhou.
Ela previa apagá-lo rapidamente, esperando passar por uma heroína e poder utilizar o acidente como pretexto para pedir mais dinheiro à família.

Mas o fogo ficou incontrolável e a babá escapou, deixando em casa a mãe da família, de 34 anos, e seus três filhos de seis, nove e onze anos. Todos morreram asfixiados.
          
"O diabo finalmente recebeu o castigo da lei, a pena de morte", escreveu o pai da família, Lin Shengbin, de 37 anos, na rede social chinesa Weibo, após o anúncio do veredito.
          

Assuntos Justiça  

Leia também
  • 09/02/2018 19:56:24

    Prisão perpétua para afegão que assassinou compatriota cristã

    Berlim - Um afegão foi condenado nesta sexta-feira à prisão perpétua por um tribunal alemão por ter esfaqueado até a morte uma compatriota que se converteu ao cristianismo.

  • 09/02/2018 16:45:29

    Reuters denuncia prisão de dois jornalistas birmaneses

    Banguecoque - Os dois jornalista da Reuters presos há dois meses foram detidos por ter investigado sobre o massacre de dez membros da etnia rohingyas pelo exército e pelos aldeões budistas, informou a agência, que revelou os detalhes da investigação.

  • 09/02/2018 12:03:17

    Rússia classifica de injusta a decisão do TAS contra recursos de atletas

    Moscovo - O ministro dos desportos da Rússia, Pavel Kolobkov, classificou hoje, sexta-feira, de injusta a decisão do Tribunal Arbitral do desporto (TAS) de descartar os recursos de 47 atletas e técnicos russos contra a decisão do COI de não convidá-los para os Jogos Olímpicos de Inverno de PyeongChang, na Coreia do Sul, informou a EFE.