Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Internacional

14 Fevereiro de 2018 | 11h11 - Actualizado em 14 Fevereiro de 2018 | 11h11

Netanyahu afirma que coligação é estável e que ninguém convocará eleições

Tel Aviv - O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, garantiu hoje, quarta-feira, que a sua coligação de governo, que depende do apoio de cinco partidos, é "estável" e que não serão convocadas novas eleições, um dia depois de a polícia recomendar que fosse indiciado por acusações de corrupção, informou a EFE.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

"A coligação é estável. Nem eu nem ninguém vamos convocar eleições. Vou continuar a trabalhar até o final da minha legislatura", anunciou o primeiro-ministro num discurso na inauguração da conferência Muni Expo, no centro de exposições de Tel Aviv.

Assuntos Eleições  

Leia também
  • 14/02/2018 02:00:52

    Chanceleres exigem da Venezuela um novo calendário eleitoral

    Lima - Os chanceleres dos 14 países do Grupo de Lima reunidos nesta terça-feira na capital peruana para debater as eleições na Venezuela rejeitaram a convocação antecipada do pleito eleitoral por parte do governo de Caracas, em sintonia com a posição de boa parte da comunidade internacional.

  • 09/02/2018 18:44:30

    Farc anunciam suspensão da sua campanha eleitoral

    Bogotá - A ex-guerrilha das Farc anunciou nesta sexta-feira a suspensão temporária da sua campanha eleitoral na Colômbia por falta de "garantias", após "sabotagens" e "agressões" contra alguns dos seus candidatos.

  • 08/02/2018 16:06:58

    Ex-presidente George Bush admite interferência da Rússia nas eleições dos EUA

    Washington - Ex-presidente norte-americano George W. Bush, que participou hoje (8) numa conferência nos Emirados Árabes Unidos, considerou "problemática" a interferência de Moscovo nas eleições presidenciais dos Estados Unidos em 2016.