Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Internacional

06 Dezembro de 2018 | 16h08 - Actualizado em 06 Dezembro de 2018 | 16h08

May cede ao Parlamento na questão da fronteira da Irlanda para salvar acordo do Brexit

Londres - A primeira-ministra britânica, Theresa May, afirmou nesta quinta-feira que os deputados podem ter a última palavra sobre a activação do mecanismo destinado a evitar uma fronteira dura na ilha da Irlanda após o Brexit, o ponto mais controverso do acordo.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

O Executivo de May enfrenta nesta quinta-feira o terceiro de cinco dias de debates no Parlamento sobre o acordo de retirada, antes de uma votação histórica de ratificação na próxima terça-feira.

Após duas sessões muito turbulentas, que deixaram evidente a posição de enfraquecimento do governo, a primeira-ministra parecia buscar argumentos para que os deputados pró-Brexit, que apontam o que consideram concessões inaceitáveis à UE no acordo, mudem de opinião e apoiem o texto.

O tratado de saída da União Europeia negociado entre Londres e Bruxelas prevê uma "rede de segurança" ("backstop" em inglês) que manteria o Reino Unido numa união alfandegária com a UE e a Irlanda do Norte dentro do mercado único europeu, caso os dois lados não alcancem uma solução melhor durante as negociações da futura relação.

Este mecanismo enfrenta uma oposição ferrenha, inclusive dentro do Partido Conservador de May, entre os legisladores que o consideram um perigo, que prenderia o país à UE de modo indefinido.

Dezenas de parlamentares afirmaram que votarão contra o acordo na sessão de ratificação de 11 de Dezembro, o que deixaria o país num clima de incerteza a pouco mais de três da data prevista para o Brexit: 29 de Março de 2019.

"Falam de 'backstop' como se fosse automático, mas, de facto, não é automático", disse Theresa May à rádio pública BBC, antes de ressaltar a possibilidade de estender o período de transição, inicialmente previsto até o fim de 2020, para continuar a negociando com a UE.

"Para começar, ninguém quer entrar nos 'backstop'. E se tivermos que utilizá-lo, teremos que tomar uma decisão e estou considerando a questão do papel do Parlamento nesta decisão", completou.

May destacou, no entanto, que qualquer acordo com Bruxelas conteria uma rede de segurança e que, uma vez aplicada, o Reino Unido não poderia abandonar unilateralmente a medida, sem a aprovação da UE.

Segundo a imprensa britânica, Theresa May está inclusive a tentar sufocar a revolta dos deputados conservadores rebeldes com a proposta de que a Câmara dos Comuns possa votar contra tanto o "backstop" como a prorrogação do período de transição, de um máximo de dois anos, segundo o acordo negociado com Bruxelas.

Assuntos Diplomacia  

Leia também
  • 07/12/2018 12:35:57

    Assange recusa oferta para deixar embaixada do Equador

    Londres - O WikiLeaks anunciou que o seu fundador, Julian Assange, não tem nenhuma intenção de deixar a embaixada do Equador em Londres, apesar das garantias de que o Reino Unido não o extraditará a países onde arrisca ser condenado à pena de morte.

  • 06/12/2018 18:32:32

    Assange tem garantias para deixar embaixada, afirma presidente

    Quito - O presidente do Equador, Lenín Moreno, afirmou que o fundador do WikiLeaks, Julian Assange, tem "garantias suficientes" do governo do Reino Unido para "deixar a embaixada" do país em Londres.

  • 06/12/2018 17:13:47

    França: Crise social afecta imagem de Macron no exterior

    Paris - As dificuldades do presidente francês, Emmanuel Macron, para aplacar a fúria dos "coletes amarelos" preocupam os países vizinhos, que o consideram "salvador progressista" na luta contra o populismo na Europa, segundo observadores internacionais.