Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Internacional

08 Março de 2018 | 19h50 - Actualizado em 09 Março de 2018 | 10h49

Mais de 900 civis mortos em Guta desde os bombardeamentos

Beirute - Mais de 900 civis morreram em Guta Oriental desde o início de uma violenta ofensiva do governo sírio contra o reduto rebelde, que fica nas proximidades de Damasco, informou esta quinta-feira a ONG Observatório Sírio dos Direitos Humanos.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Síria - Bombardeamentos (Foto arquivo)

Foto: AHMAD SHAFIE BILAL


O balanço de vítimas fatais chegou 905 depois que os mais recentes bombardeamentos aéreos contra a cidade de Zamalka provocaram as mortes de sete civis, indicou o OSDH, organização com sede no Reino Unido e que dispõe de uma ampla rede de fontes no país .
 

Assuntos Ataque  

Leia também
  • 12/03/2018 12:22:18

    Talibãs conquistam primeiro distrito no Afeganistão em 2018

    Cabul - Os talibãs tomaram hoje, segunda-feira, o controlo de um distrito na província de Farah, no oeste do Afeganistão, o primeiro que cai nas mãos dos rebeldes em 2018, depois dos combates nos quais morreram pelo menos dez soldados afegãos.

  • 01/03/2018 10:37:51

    Alemanha condena à prisão perpétua autor de ataque islamita com faca

    Hamburgo - A justiça da Alemanha condenou hoje, quinta-feira, à prisão perpétua um demandante de asilo palestino que confessou um ataque jihadista com faca que deixou um morto e seis feridos em Hamburgo em Julho de 2017, informou a AFP.

  • 28/02/2018 13:05:48

    Turquia ignora pedidos de EUA e França de parar ataques em Afrin

    Istambul - A Turquia rejeitou hoje, quarta-feira os pedidos de Estados Unidos e França que respeite no enclave sírio de Afrin o cessar-fogo ordenado pelo Conselho de Segurança das Nações Unidas às partes em conflito no país árabe, informou a EFE.