Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Internacional

16 Abril de 2018 | 18h05 - Actualizado em 16 Abril de 2018 | 18h05

Alemanha: Partido de Merkel critica projectos de Macron para a zona euro

Berlim - O partido conservador da chanceler alemã, Angela Merkel, demarcou-se das propostas do Presidente francês, Emmanuel Macron, para a reforma da zona euro, na véspera de um discurso do chefe de Estado francês no Parlamento Europeu.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

A União Democrata Cristã de Angela Merkel, criticou nomeadamente a ideia de criar um orçamento específico da zona euro para apoiar os investimentos, através da voz da número dois do partido, Annegret Kramp-Karrenbauer, próxima da chanceler alemã.

"Não penso que seja uma boa ideia" ter um segundo orçamento separado do que já existe para a União Europeia (UE), afirmou, salientando que a UE já enfrenta vários desafios orçamentais na sequência do Brexit.

Adiantou ainda que os países da zona do euro já representam 85% do orçamento total da UE, pelo que a questão principal
"é o orçamento da União Europeia", destacou.

Kramp-Karrenbauer falava após uma reunião entre deputados do Partido Democrata Cristão e seu aliado bávaro (CSU), um movimento ainda mais céptico em relação às propostas europeias do primeiro-ministro francês, Emmanuel Macron.

Os deputados já tomaram uma posição que reflecte o seu cepticismo, em particular no que diz respeito ao projecto do Fundo Monetário Europeu (FME) que envolve um mecanismo para ajudar os países em dificuldades na zona do euro.

Os deputados conservadores de Angela Merkel condicionam a criação de um mecanismo deste género à reforma dos tratados europeus, o que torna a sua criação muito improvável.

Exigem, além disto, que o mecanismo seja independente da Comissão Europeia que consideram demasiado tolerante com os Estados-membros com défices orçamentais e recusam que este Fundo ajude os governos a enfrentar "crises conjunturais", como pretende Bruxelas.

Defendem que o FME só poderá intervir em caso de problemas no reembolso da dívida e em troca de esforços significativos de poupança nos países em questão.

Esta tomada de posição na véspera do discurso do Macron no Parlamento Europeu em Estrasburgo, é um balde de água fria para a França.

Assuntos Política  

Leia também
  • 08/11/2018 11:06:10

    Bolsonaro e Temer prometem transição 'fluida'

    Brasília - O presidente eleito Jair Bolsonaro e o actual chefe de Estado, Michel Temer, prometeram, nesta quarta-feira, em Brasília, uma transição "fluida" entre os seus governos.

  • 05/11/2018 11:09:49

    Família de Asia Bibi pede asilo ao Reino Unido, Canadá e Estados Unidos

    Islamabad - A família da cristã Asia Bibi, absolvida quarta-feira de uma condenação à morte por blasfémia pelo Supremo Tribunal do Paquistão, pediu asilo ao Reino Unido, Canadá e Estados Unidos por motivos de segurança, noticiou hoje a Lusa.

  • 03/11/2018 12:20:49

    Obama define plano militar de Trump na fronteira como "truque político"

    Miami - O ex-presidente dos Estados Unidos Barack Obama denunciou nesta sexta-feira (2) como um "truque político" o plano de Donald Trump de enviar milhares de soldados à fronteira com o México para impedir a entrada de imigrantes no país.

  • 03/11/2018 12:11:51

    Maduro qualifica sanções dos EUA de 'criminosas e loucas'

    Caracas - O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, qualificou nesta sexta-feira de "criminosas e loucas" as sanções impostas pelos Estados Unidos contra as suas exportações de ouro, afirmando que prejudicam mais o empresariado do que o Estado.