Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Internacional

17 Abril de 2018 | 02h38 - Actualizado em 17 Abril de 2018 | 05h12

Califórnia se nega a enviar militares à fronteira com o México

EUA - A Califórnia se recusa a enviar os reforços militares prometidos pelo presidente Donald Trump para a fronteira com o México, ao considerar que a missão que as autoridades federais querem lhe atribuir difere de seus critérios, informou segunda-feira um alto funcionário americano.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

O governador da Califórnia, Jerry Brown, que diverge frontalmente do governo Trump em temas migratórios, "determinou que o que havíamos pedido era intolerável", declarou em uma colectiva de imprensa, em Washington, o diretor-adjunto dos serviços de alfândega e protecção das fronteiras, Ronald Vitiello.

"Fizemos o pedido de forma detalhada, passou pelo processo decisório e recebemos a mensagem do governador de que não vai participar", acrescentou.

Brown informou na semana passada que só aceitaria a mobilização de 400 militares na Califórnia se fossem destinados a combater a criminalidade transnacional. "Não será uma missão para construir um novo muro (...) ou para proceder a detenções de mulheres e crianças ou de pessoas que fogem da violência e procuram uma vida melhor", destacou.

Esta semana, a Guarda Nacional e os departamentos de Segurança Doméstica e Defesa enviaram ao governador uma proposta detalhada na qual solicitaram-lhe o envio de 237 militares a dois grandes postos fronteiriços nos quais deveriam assumir funções administrativas e de ajuda às operações que precisarem de equipamento pesado.

Brown se negou a atender à demanda.

A Guarda Nacional, corporação de reserva do Exército, já interveio na fronteira em 2010 por ordem do então presidente Barack Obama, e em 2006-2008, na gestão de George W. Bush. Em cada uma destas operações, a missão durou um ano.

Os soldados não terão a obrigação de portar armas, mas alguns poderão andar armados para "autodefesa", disse durante a colectiva o general Daniel Hokanson, número 2 da Guarda Nacional.

Segundo ele, 960 militares já foram enviados nesta segunda-feira a outros estados fronteiriços: 250 ao Arizona, 60 ao Novo México e 650 ao Texas.

De acordo com Bob Salesses, alto funcionário do Pentágono, estes efectivos não erguerão o muro que o presidente Donald Trump pretende construir. "No momento actual (...) não vemos necessidade de fazer esta demanda", informou.

O presidente republicano anunciou recentemente o deslocamento de 2.000 a 4.000 homens na fronteira, e disse que poderia mantê-los nesta região até a construção do muro.

Assuntos Exército  

Leia também
  • 28/12/2018 12:37:49

    Exército sírio anuncia entrada no norte após pedido de ajuda dos curdos

    Beirute - O Exército sírio anunciou a sua entrada num sector do norte do país, nesta sexta-feira (28), após as forças curdas pedirem ao governo a mobilização de tropas nessa região sob o seu controlo para enfrentar a ameaça de ofensiva da Turquia.

  • 22/11/2018 05:35:52

    EUA e Coreia do Sul reduzirão exercícios militares conjuntos, diz Mattis

    Washington - Os Estados Unidos e a Coreia do Sul reduzirão o exercício militar conjunto programado para o primeiro semestre de 2019 para facilitar as negociações nucleares com a Coreia do Norte, disse nesta quarta-feira a AFP o secretário de Defesa americano, Jim Mattis.

  • 25/10/2018 10:11:42

    Maior exercício da OTAN desde a Guerra Fria arranca hoje na Noruega

    Oslo - Quase 50 mil efectivos, incluindo do comando da OTAN em Portugal, apoiados por um número bastante significativo de meios iniciam hoje na Noruega as maiores manobras militares da Aliança Atlântica desde o período da Guerra Fria.

  • 24/10/2018 11:11:45

    Austrália aumenta presença militar no mar do Sul da China

    Camberra - A Austrália aumentou progressivamente a presença militar no mar do Sul da China, onde Pequim e outros países da região disputam o controlo de várias ilhas, indicam dados hoje apresentados perante uma comissão do Senado australiano.