Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Internacional

17 Abril de 2018 | 02h38 - Actualizado em 17 Abril de 2018 | 05h12

Califórnia se nega a enviar militares à fronteira com o México

EUA - A Califórnia se recusa a enviar os reforços militares prometidos pelo presidente Donald Trump para a fronteira com o México, ao considerar que a missão que as autoridades federais querem lhe atribuir difere de seus critérios, informou segunda-feira um alto funcionário americano.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

O governador da Califórnia, Jerry Brown, que diverge frontalmente do governo Trump em temas migratórios, "determinou que o que havíamos pedido era intolerável", declarou em uma colectiva de imprensa, em Washington, o diretor-adjunto dos serviços de alfândega e protecção das fronteiras, Ronald Vitiello.

"Fizemos o pedido de forma detalhada, passou pelo processo decisório e recebemos a mensagem do governador de que não vai participar", acrescentou.

Brown informou na semana passada que só aceitaria a mobilização de 400 militares na Califórnia se fossem destinados a combater a criminalidade transnacional. "Não será uma missão para construir um novo muro (...) ou para proceder a detenções de mulheres e crianças ou de pessoas que fogem da violência e procuram uma vida melhor", destacou.

Esta semana, a Guarda Nacional e os departamentos de Segurança Doméstica e Defesa enviaram ao governador uma proposta detalhada na qual solicitaram-lhe o envio de 237 militares a dois grandes postos fronteiriços nos quais deveriam assumir funções administrativas e de ajuda às operações que precisarem de equipamento pesado.

Brown se negou a atender à demanda.

A Guarda Nacional, corporação de reserva do Exército, já interveio na fronteira em 2010 por ordem do então presidente Barack Obama, e em 2006-2008, na gestão de George W. Bush. Em cada uma destas operações, a missão durou um ano.

Os soldados não terão a obrigação de portar armas, mas alguns poderão andar armados para "autodefesa", disse durante a colectiva o general Daniel Hokanson, número 2 da Guarda Nacional.

Segundo ele, 960 militares já foram enviados nesta segunda-feira a outros estados fronteiriços: 250 ao Arizona, 60 ao Novo México e 650 ao Texas.

De acordo com Bob Salesses, alto funcionário do Pentágono, estes efectivos não erguerão o muro que o presidente Donald Trump pretende construir. "No momento actual (...) não vemos necessidade de fazer esta demanda", informou.

O presidente republicano anunciou recentemente o deslocamento de 2.000 a 4.000 homens na fronteira, e disse que poderia mantê-los nesta região até a construção do muro.

Assuntos Exército  

Leia também