Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Internacional

16 Abril de 2018 | 17h46 - Actualizado em 16 Abril de 2018 | 17h46

Equipa da OPAQ ainda não entrou em Douma para investigar alegado ataque

Damasco - O director-geral da Organização para a Proibição das Armas Químicas (OPAQ) adiantou hoje que os inspectores da organização ainda não entraram em Douma para investigar o ataque de 07 de Abril, alegadamente com armamento químico.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Ahmet Uzumcu, o responsável máximo da OPAQ, disse hoje aos restantes membros do conselho executivo da organização que dois dias depois de ter chegado à Síria a equipa ainda não pôde entrar em Douma.

De acordo com Uzumcu, a explicação foi dada por responsáveis sírios e russos (a Rússia é o principal aliado do Governo do Presidente Bashar al-Assad). Estes responsáveis, que participaram nas reuniões em Damasco, disseram à equipa que "ainda existem questões de segurança pendentes que têm de ser resolvidos antes de se poder proceder a esta mobilização".

O director-geral da OPAQ também disse que, em substituição de uma ida da equipa a Douma, as autoridades sírias ofereceram a possibilidade de os inspectores entrevistarem 22 pessoas.

Uzumcu disse esperar que se façam "todos os preparativos necessários para permitir que a equipa se mobilize para Douma o mais rapidamente possível".

Activistas da oposição sírios e equipas de emergência denunciaram um ataque com armas químicas em Douma no dia 07 de Abril, acrescentando que este terá causado pelo menos 40 mortos.

O governo sírio e a Rússia negaram ter realizado qualquer ataque com armas químicas (proibidas internacionalmente).
Na madrugada de sábado, os Estados Unidos, a França e o Reino Unido atacaram com mísseis posições sírias que supostamente albergavam este tipo de armas.

Assuntos Conflito  

Leia também