Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Internacional

17 Abril de 2018 | 11h29 - Actualizado em 17 Abril de 2018 | 11h48

Macron faz advertência contra qualquer desejo autoritário na UE

Estrasburgo - A União Europeia (UE) deve "defender com firmeza" a sua democracia diante da tentação "autoritária" em alguns países, afirmou nesta terça-feira o presidente francês, Emmanuel Macron, em seu primeiro discurso na Eurocâmara desde a sua eleição, que foi vista como um fortalecimento do bloco.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Bandeira de França

Foto: Foto divulgação

"Quero pertencer a uma geração que decidiu defender com firmeza sua democracia (...) Não cederei diante de qualquer fascínio pelos regimes autoritários", afirmou diante dos eurodeputados reunidos em Estrasburgo (nordeste da França).

"Não quero pertencer a uma geração de sonâmbulos, a uma geração que esqueceu o próprio passado", completou o francês, no momento em que o projecto europeu, nascido dos escombros da Segunda Guerra Mundial, se prepara para a saída em 2019 de um de seus membros, o Reino Unido.


Macron reforça assim a sua visão de europeísmo, depois que os partidos eurocéticos venceram recentemente as eleições na Hungria e na Itália e quando a UE mantém uma disputa com o governo nacionalista conservador da Polônia pela situação do Estado de direito.

Macron fez uma advertência contra uma "espécie de guerra civil europeia" e afirmou que "o fascínio iliberal cresce cada vez mais".

Apesar de sua vitória em maio 2017 contra a candidata de extrema-direita Marine Le Pen ter sido considerada um estímulo ao europeísmo, as propostas de Macron para reformar o bloco não receberam o apoio necessário dos sócios europeus, especialmente da influente Alemanha.

O partido conservador da chanceler alemã Angela Merkel se distanciou do discurso de reforma da Eurozona de Macron, com planos como um orçamento próprio, que Berlim considerou uma ideia má.

Seus planos, no entanto, têm o apoio do presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, que durante o debate parlamentar disse que "a verdadeira França está de volta", e da maior parte dos eurodeputados, que aplaudiram Macron em vários momentos.

O presidente francês aproveitou a oportunidade para propor a criação de um programa comunitário para financiar as instituições locais que recebem os refugiados, um dos temas delicados para o bloco.

Para Macron é necessário "desbloquear o envenenado debate sobre as regras Dublin e as transferências, mas também ir mais além neste debate, construindo a solidariedade interna e externa que a Europa necessita".

Assuntos Diplomacia  

Leia também
  • 05/02/2019 14:53:35

    Rússia quer desenvolver novo míssil antes de 2021

    Moscovo - A Rússia planeia desenvolver até 2021 uma versão terrestre dos mísseis usados até agora pela Marinha russa, após Washington e Moscovo suspenderem a sua participação no tratado de armas nucleares de alcance intermediário, anunciou hoje o ministro da Defesa, Sergei Shoigu.

  • 05/02/2019 13:42:04

    Grupo de Lima compromete-se em não considerar opção militar na Venezuela

    Ottawa - O Grupo de Lima, com a ausência do México, que se desvinculou da iniciativa após a chegada ao poder do presidente Andrés Manuel López Obrador, disse que vai reiterar o seu apoio a um processo de transição pacífica através de meios políticos e diplomáticos sem o uso da força.

  • 05/02/2019 13:13:31

    Merkel quer que empresas chinesas não partilhem informações com Estado

    Tóquio - A chanceler alemã, Angela Merkel, pediu hoje a Pequim algumas salvaguardas para garantir que as empresas chinesas não partilhem informações com o Governo Central, numa altura de grande desconfiança ocidental em relação aos comportamentos da gigante Huawei, noticiou a Lusa.

  • 04/02/2019 19:24:46

    França: Diplomacia francesa diz que foi alcançado compromisso à africana na RDC

    Paris - O ministro dos Negócios Estrangeiros francês, Jean-Yves Le Drian, disse hoje que nas eleições na República Democrática do Congo (RDC) foi alcançado ?um compromisso à africana?, depois de anteriormente ter manifestado dúvidas sobre a vitória de Felix Tshisekedi.