Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Internacional

16 Abril de 2018 | 16h25 - Actualizado em 16 Abril de 2018 | 16h26

Ministros da UE consideram "inaceitável" uso de armas químicas

Luxemburgo - Os ministros dos Negócios Estrangeiros da União Europeia (UE) reiteraram hoje que o uso de armas químicas é "inaceitável", "pode equivaler a um crime de guerra ou um crime contra a humanidade" e não deve ficar impune.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

União Europeia

Foto: Pedro Parente

"O uso de armas químicas é inaceitável, constitui uma violação do Direito Internacional e pode equivaler a um crime de guerra ou a um crime contra a humanidade. Não pode haver impunidade e os autores de semelhantes actos devem ser responsabilizados", pode ler-se na nota que reúne as conclusões adoptadas pelos chefes da diplomacia europeus, hoje reunidos no Luxemburgo.

Nesse sentido, os ministros dos Negócios Estrangeiros da UE consideram que as informações recentes procedentes da Síria são "verdadeiramente chocantes" e devem ser investigadas de forma "urgente e independente".

"O Conselho reitera que a UE continua unida no apoio à proibição e eliminação das armas químicas a nível mundial e que acredita firmemente que o uso de armas químicas, incluindo de qualquer químico tóxico como arma, seja por um Estado-Membro ou por um Estado não comunitário, em qualquer lugar e em qualquer circunstância, é abominável e deve ser rigorosamente condenado", destacaram.

A tomada de posição dos chefes de diplomacia dos países comunitários acontece dois dias depois de Estados Unidos, França e Reino Unido terem realizado ataques com mísseis contra alvos associados à produção de armamento químico na Síria, em resposta a um alegado ataque com armas químicas na cidade de Douma, Ghouta Oriental, por parte do governo de Bashar al-Assad.

Na passada quinta-feira, a Organização para a Proibição de Armas Químicas (OPAQ) confirmou que o gás utilizado para envenenar o ex-espião Serguei Skripal e a filha, Yulia, foi novichok, como tinham concluído as autoridades britânicas.

O Reino Unido responsabiliza a Rússia pelo envenenamento dos Skripal, o que é negado por Moscovo.

Os ministros comunitários adoptaram estas conclusões na reunião de hoje, no Luxemburgo, antes da sessão especial para rever o funcionamento da Convenção sobre a Proibição do Desenvolvimento, Produção, Armazenamento e Utilização das Armas Químicas e sobre a sua Destruição, que vai acontecer em Haia (Holanda), entre 21 e 30 de Novembro.

Assuntos Reunião  

Leia também
  • 23/10/2018 19:27:06

    Fórum económico na Arábia Saudita ofuscado pelo caso Khashoggi

    Riade - A Arábia Saudita está em crise após o assassinato "abominável" do jornalista Jamal Khashoggi, reconheceu nesta terça-feira o poderoso ministro da Energia, Khaled al-Faleh, ao inaugurar em Riad um fórum de investimento internacional, boicotado por líderes estrangeiros e empresariais.

  • 23/10/2018 10:16:38

    Principal fórum económico da Arábia Saudita arranca recordando Khashoggi

    Riad - O principal fórum económico da Arábia Saudita - 'Davos do Deserto' - começou hoje com os participantes a recordarem o jornalista saudita Jamal Khashoggi, que morreu no consulado saudita em Istambul, no início do corrente mês.

  • 22/10/2018 03:52:43

    Paris acolhe reunião internacional de negócios França-África

    Paris, França - Um encontro internacional organizado sob a égide dos Ministérios franceses da Economia e dos Negócios Estrangeiros reúne, a partir de hoje segunda-feira, em Paris, ministros e empresários de França e de África para afirmar a vontade francesa de reforçar os laços económicos com o continente africano.

  • 12/10/2018 10:24:09

    Presidente indonésio incita líderes a aprenderem com "A Guerra dos Tronos"

    Jacarta - O Presidente da Indonésia, Joko Widodo, disse hoje nos encontros anuais do Fundo Monetário Internacional e do Banco Mundial, em Bali, que os líderes mundiais precisam de aprender uma importante "lição moral" com a série televisiva "A Guerra dos Tronos".