Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Internacional

08 Junho de 2018 | 10h38 - Actualizado em 08 Junho de 2018 | 10h41

Suíça: Cruz Vermelha retira 71 colaboradores do Iémen por motivos de segurança

Genebra - Comité internacional da Cruz Vermelha (CICV) anunciou hoje que retirou do Iémen, por motivos de segurança, 71 dos seus colaboradores internacionais, que representam mais de metade do seu pessoal naquele país.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Logotipo da Cruz Vermelha Internacional

Foto: Divulgacao

"Nas últimas semanas, as nossas actividades foram bloqueadas e o nosso pessoal recebeu ameaças e foi directamente tomado por um alvo. Existe claramente um desejo de instrumentalizar a nossa organização no cenário do conflito", declarou em comunicado Dominik Stillhart, director das operações do CICV.

"No passado, a nossa delegação no Iémen foi ameaçada por diversas ocasiões e não podemos aceitar que se exponha a riscos suplementares nas actuais circunstâncias, menos de dois meses após o assassinato de um dos seus colaboradores", acrescentou.

Após uma "série de incidentes e ameaças", o CIC transferiu para o exterior do Iémen 71 dos seus colaboradores.

Em consequência, a organização com sede em Genebra indicou que deverá reduzir as suas atividades humanitárias, designadamente no domínio das cirurgias, visitas aos detidos, fornecimento de água potável e assistência alimentar.

O CICV, presente no Iémen desde 1962, considera que "todas as partes [no conflito] são responsáveis pela segurança do seu pessoal, e apelou a "garantias concretas e reais para que possa prosseguir a sua ação" no país do Médio Oriente.

Em Março de 2015 a Arábia Saudita assumiu a liderança de uma coligação militar para auxiliar o governo internacionalmente reconhecido e que se refugiou no sul do país, enquanto o seu presidente se instalava em Riade, a capital saudita.

O balanço do conflito armado no Iémen cifra-se segundo a ONU em cerca de 10 mil mortos, 55 mil feridos e originou "a pior crise humanitária do mundo". Mais de 2 mil e 200 pessoas morreram de cólera, enquanto diversas regiões do país estão no limiar da fome generalizada.

Assuntos Conflito  

Leia também
  • 11/11/2018 03:09:22

    Síria protesta à ONU por ataque aéreo de coligação liderada pelos EUA

    Beirute - O governo sírio protestou à Organização das Nações Unidas (ONU) contra o ataque aéreo da coligação liderada pelos Estados Unidos contra o Estado Islâmico, que teria matado 26 civis em Hajin, na região Deir al-Zor, no leste, informou a imprensa estatal neste sábado.

  • 05/11/2018 18:05:14

    Forças coligadas intensificam combates no Iêmen

    Adem - Os combates em terra e no ar se intensificaram nesta segunda-feira em torno da cidade portuária de Hodeida, nas mãos dos rebeldes huthi no oeste do Iêmen, apesar de a coligação que os opõe, liderada pela Arábia Saudita, assegurar que não houve uma escalada do conflito.

  • 04/11/2018 07:14:38

    Ataques da coalizão contra EI na Síria matam 14 civis, diz OSDH

    Damasco - Ao menos 14 civis morreram, sábado, em ataques aéreos da coalizão internacional antiextremista, liderada pelos Estados Unidos, contra o último reduto do grupo Estado Islâmico (EI) no leste da Síria, informou o Observatório Sírio de Direitos Humanos (OSDH).

  • 01/11/2018 23:01:30

    Netanyahu denuncia 'hostilidade' da UE contra Israel

    Jerusalém - O primeiro-ministro israelita Benjamin Netanyahu denunciou nesta quinta-feira "a atitude hipócrita e hostil da União Europeia" (UE) contra Israel, antes de partir para a Bulgária, onde deve se reunir com quatro dirigentes da região