Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Internacional

14 Junho de 2018 | 02h02 - Actualizado em 14 Junho de 2018 | 02h01

Colômbia: País recebe mais de um milhão de venezuelanos

Bogotá - Mais de um milhão de venezuelanos migraram para a Colômbia nos últimos 16 meses, em sua maioria pressionados pela crise económica, segundo um balanço do governo colombiano divulgado nesta quarta-feira (13).

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Após um registo de identificação realizado em 413 de 1.200 municípios colombianos, as autoridades calcularam que do total de 442.462 pessoas estão com permissão de estadia, enquanto 376.572 irregularmente.

Estes dois grupos somam 819.034 venezuelanos, mas a "este número se somam 250.000 colombianos retornados. É assim como mais de um milhão de pessoas chegaram ao país nos últimos 16 meses vindos da Venezuela", destacou em comunicado a Unidade Nacional para a Gestão do Risco de Desastres da Colômbia, encarregada do levantamento.

Entre a população recenseada, há 118.709 crianças e adolescentes.

Bogotá e as regiões fronteiriças concentram o maior impacto migratório. Do total de venezuelanos regulares "181.472 têm permissões especiais de permanência para trabalhar" e se encontram na capital e nos departamentos [estados] de Antioquia (noroeste) e Atlântico (norte), detalhou o governo.

A Colômbia enfrenta a maior onda migratória de sua história, devido à grave deterioração económica da Venezuela, país com as maiores reservas de petróleo do mundo.

Os dois países dividem uma fronteira de 2.219 km. Em vários trechos, há contrabando de drogas, mercadorias e combustível.

Além do censo, o governo de Juan Manuel Santos lançou um plano para atender às necessidades básicas dos venezuelanos. Também participam do programa as Nações Unidas e a Organização Internacional para as Migrações (OIM).

Santos culpa o governo de Nicolás Maduro pelo êxodo e pediu-lhe para abrir um canal humanitário, que lhe permita atender aos venezuelanos que "padecem a escassez e a fome".

Bogotá lidera a pressão externa contra o governo reeleito de Maduro.    

Assuntos Internacional  

Leia também