Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Internacional

14 Junho de 2018 | 05h12 - Actualizado em 14 Junho de 2018 | 05h12

EUA: Rússia pede na ONU suspensão das sanções contra Coreia do Norte

Nova Iorque - A Rússia solicitou, quarta-feira, ao Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU) que analise a suspensão progressiva das sanções económicas contra a Coreia do Norte, após o acordo firmado com os Estados Unidos da América (EUA) para eliminar as armas nucleares da península coreana.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

O conselho aprovou, em 2017, três pacotes de duras sanções económicas contra Pyongyang, que proíbem quase todas as suas exportações de matéria-prima e limitam severamente o fornecimento de combustíveis.

Estas medidas foram uma resposta aos disparos de mísseis e ao teste nuclear realizados pelo regime norte-coreano, considerados ameaça à estabilidade internacional.

"É simplesmente natural que pensemos sobre dar passos nesta direcção", declarou o embaixador russo Vassily Nebenzia sobre a suspensão das sanções.

"Existe um progresso que deve ser recíproco. Deve haver contrapartidas" porque "a outra parte precisa de estímulo para avançar", acrescentou.

Em um encontro histórico em Singapura, na terça-feira, o presidente dos EUA, Donald Trump, e o líder norte-coreano, Kim Jong Un, concordaram em trabalhar para eliminar as armas nucleares da península coreana.

Mas os EUA, Japão e os países europeus defendem a permanência das sanções até que a Coreia do Norte desmantele completamente seu programa armamentístico.

O embaixador holandês Karel van Oosterom, que lidera a comissão de sanções no conselho contra a Coreia do Norte, declarou que as medidas punitivas seguem sendo implementadas com todo o vigor.

"Continuaremos mantendo a pressão com a implementação total das sanções", vincou.

Assuntos Internacional  

Leia também