Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Internacional

22 Agosto de 2018 | 17h42 - Actualizado em 22 Agosto de 2018 | 17h42

Ucrânia e separatistas pró-Rússia acordam trégua a partir de 29 de Agosto

Moscovo - A Ucrânia e os separatistas pró-Rússia acordaram hoje uma nova trégua no leste do país a partir da meia-noite de 29 de Agosto, informou um porta-voz da chamada República Popular de Donetsk.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Mapa da Ucrânia

Foto: angop

A trégua foi assinada em Minsk visando o início do ano lectivo a 01 de Setembro, depois que nos últimos dias vários soldados ucranianos morreram em combates com as milícias rebeldes.

"Esperemos que as crianças de Donbass possam estudar numa atmosfera tranquila e pacífica", disse Victoria Talakina, porta-voz do negociador-chefe dos separatistas de Donetsk, Denis Pushilin.

A fonte ressaltou que a única forma de garantir o sucesso da trégua é adoptar "medidas adicionais" para que ambos os lados respeitem o cessar-fogo.

A chanceler da Alemanha, Angela Merkel, tinha expressado a sua confiança quanto a ambas as partes em conflito acordarem uma nova trégua, ao se reunir no último sábado com o presidente da Rússia, Vladimir Putin.

A trégua anterior, conhecida como a "do pão" por estar vinculada com o início da colheita, foi violada, como reconheceu o chefe adjunto da missão especial da Organização para a Segurança e a Cooperação na Europa, Aleksandr Hug, que estimou em mais de 160 o número de mortos no leste da Ucrânia desde Janeiro.

O exército ucraniano informou no último fim de semana a morte de três soldados em ataques das milícias pró-russas contra as suas posições, em algumas ocasiões com armamento pesado, em clara violação do cessar-fogo pactuado no Acordo de Minsk.

Putin e Merkel constataram no sábado a estagnação do processo de paz, da qual o Kremlin culpa exclusivamente Kiev, entre outras coisas por negar-se a conceder amplas cotas de autonomia às regiões pró-russas.

Por sua vez, Merkel mostrou-se disposta a estudar o desdobramento de uma missão de pacificação da ONU no leste da Ucrânia.
 

Assuntos Acordo  

Leia também