Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Internacional

30 Agosto de 2018 | 12h17 - Actualizado em 30 Agosto de 2018 | 12h16

Dois mortos e oito feridos em operação de militares no Rio de Janeiro

Rio de Janeiro - Duas pessoas morreram e oito ficaram feridas numa operação terrestre e marítima que contou com dois mil e 800 efectivos das forças de segurança para combater o crime na zona metropolitana do Rio de Janeiro.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

A acção faz parte da intervenção federal decretada em Fevereiro pelo Presidente brasileiro, Michel Temer, que deixou nas mãos do exército a segurança do Estado do Rio de Janeiro com o objectivo de fazer frente à grave vaga de violência que atinge a região.

O Comando Militar do Leste informou ainda que foram apreendidas seis pistolas, uma espingarda, onze carregadores, cinco cartuchos de munição, três motociclos e três embarcações. Além disso, os militares realizaram três mil verificações de antecedentes criminais.

A operação decorreu no complexo de bairros do Salgueiro, no município de São Gonçalo, região metropolitana a norte do Rio, e na Baía de Guanabara, numa superfície marítima de 61 quilómetros quadrados, segundo o Comando Militar do Leste.

Durante as acções, os militares do exército e da marinha cumpriram mandados judiciais, verificaram denúncias de práticas criminais e efectuaram cercos terrestres.

Segundo as autoridades militares, no complexo de favelas do Salgueiro e nos seus arredores, actuaram dois mil e 520 militares das forças armadas, com apoio de blindados e aeronaves.

Na área da Baía da Guanabara, que banha municípios do Rio de Janeiro, participaram nas operações 300 homens da marinha e 12 agentes da polícia federal que realizaram acções de bloqueio e cerco naval, com o principal objectivo de reprimir crimes.

As acções ocorreram com o apoio de tanques, veículos blindados e aeronaves, assim como de dois barcos e 10 lanchas rápidas.

Seis meses após o início da intervenção, a violência não cedeu no Rio de Janeiro e o número de tiroteios subiu cerca de 40 porcento e as mortes nos confrontos com as forças de segurança foram as mais altas em 30 anos, segundo o Observatório da Intervenção.

Durante este período, 736 pessoas morreram em confrontos ocorridos em operações das forças de segurança e outras dois mil e 617 morreram em homicídios.

Assuntos Polícia  

Leia também