Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Internacional

07 Setembro de 2018 | 17h10 - Actualizado em 07 Setembro de 2018 | 17h10

Tribunal Penal Internacional investigará deportação de rohingyas em Mianmar

Haia - O Tribunal Penal Internacional (TPI) concluiu nesta quinta-feira que a deportação da minoria rohingya de Mianmar para Bangladesh pode ser investigada pela corte.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Edifício do TPI 2

Foto: Google /divulgação

Mianmar não aceita a jurisdição do TPI sobre o caso, mas os juízes alegaram que os crimes teriam sido também cometidos em Bangladesh, país que ractificou o Estatuto de Roma, carta de fundação do tribunal, que tem sede em Haia, na Holanda.

Com a decisão, o TPI atende à solicitação dos promotores, que tinham pedido para investigar as mudanças forçadas e as deportações dos rohingyas como crimes contra a humanidade.

O escritório da procuradoria tinha solicitado dados de diversos órgãos da ONU, órgãos da comunicação social e ONGs, como a Amnistia Internacional e a Human Rights Watch, para documentar os abusos sofridos desde Agosto de 2017 pelos membros desta minoria étnica muçulmana, que não é reconhecida pelas autoridades de Mianmar.

"Um elemento deste crime, o cruzamento de uma fronteira, aconteceu no território de um Estado parte do Estatuto de Roma, caso de Bangladesh", disse o TPI ao anunciar a decisão.

Em Fevereiro, o governo de Mianmar acusou o TPI de violar a soberania do país com a possível investigação. Por não ser signatário do Estatuto de Roma, carta de fundação do tribunal, Mianmar acredita que não é obrigado a aceitar a jurisdição da corte.

Cerca de 700 mil rohingyas fugiram de Mianmar para Bangladesh desde 25 de Agosto de 2017 após uma ofensiva militar em resposta a um suposto ataque de um grupo insurgente contra postos do exército e da polícia do país.

Assuntos Justiça  

Leia também
  • 02/02/2019 00:12:08

    Brasil: Supremo tribunal federal suspende queixa-crime contra Bolsonaro

    Brasília - O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Ricardo Lewandowski suspendeu uma queixa-crime apresentada pelo PT contra o presidente Jair Bolsonaro (PSL) por um vídeo em que, ainda durante a campanha eleitoral, defendeu "fuzilar a petralhada".

  • 01/02/2019 12:32:23

    Jornalistas da Reuters recorrem à Suprema Corte de Myanmar

    Yangon - Os dois repórteres birmaneses da Reuters condenados a sete anos de prisão por uma investigação sobre um massacre de muçulmanos rohingyas pelo exército vão apresentar recurso à Suprema Corte de Myanmar, noticiou a AFP.

  • 01/02/2019 10:07:50

    Defesa de El Chapo diz que processo é "uma fantasia" e pede absolvição

    Nova Iorque - A defesa de Joaquín El Chapo Guzmán sustentou hoje (1) que o processo judicial contra o traficante mexicano é "uma fantasia" e atacou as testemunhas da acusação como "um cortejo de pessoas que mentem e roubam.

  • 31/01/2019 16:11:55

    Espanha trabalha pela libertação de jornalistas detidos em Caracas

    Bucareste - O ministro dos Negócios Estrangeiros e Cooperação da Espanha, Josep Borrell, afirmou nesta quinta-feira que o governo do seu país trabalha intensamente pela libertação de quatro profissionais da Agência EFE detidos em Caracas (Venezuela) por soldados do Serviço Bolivariano de Inteligência Nacional (Sebin).