Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Internacional

10 Setembro de 2018 | 12h54 - Actualizado em 10 Setembro de 2018 | 12h54

Damasco lança mísseis e barris explosivos perto de escola, diz ONG

Beirute - As tropas sírias lançaram nesta segunda-feira dezenas de mísseis e barris explosivos contra as províncias de Idlib e Hama, no noroeste do país, que caíram nos arredores de uma escola e deixou seis feridos, entre eles um aluno, informou à Agência Efe uma ONG.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

O Exército sírio atacou hoje uma região nos arredores de uma escola que fica na população de Yaryanaz, no sul de Idlib, o que deixou seis civis feridos, entre eles um estudante do centro, apontou o director do Observatório Sírio de Direitos Humanos, Rami Abdul Rahman.

Domingo, duas crianças morreram e outros seis civis ficaram feridos em Hbit, segundo informou a Defesa Civil Síria, que opera em zonas fora do controle do Governo de Damasco.

Segundo o Observatório, cuja sede está no Reino Unido, mas que conta com uma ampla rede de colaboradores no terreno, as tropas sírias, que contam com o apoio de Rússia, lançaram até 20 barris explosivos contra vários pontos nos povoados de Abdin, Hbit, Al Tah, Hish e Al Tamanah, no sul de Idlib.

Além disso, atacaram as populações de Kafr Zita, Al-Lataminah e Al-Bayda, no norte da província central de Hama.

Idlib é o último reduto opositor da Síria e se prepara para uma iminente ofensiva por parte do regime de Damasco e seus aliados para acabar com os "terroristas", em alusão aos membros do Organismo de Libertação do Levante, a ex-filial síria da Al Qaeda e presente em algumas zonas da região.

No norte da Hama e da província de Latakia, assim como no oeste de Aleppo, há presentes facções opositoras ao regime.

Síria e Rússia intensificaram os bombardeios contra as citadas províncias nos últimos dias e após uma cúpula de sexta-feira em Teerão na qual Turquia, Rússia e Irão não chegaram a um acordo sobre o futuro de Idlib, onde vivem cerca de três milhões de pessoas.

Assuntos Conflito  

Leia também