Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Internacional

11 Setembro de 2018 | 10h08 - Actualizado em 11 Setembro de 2018 | 11h45

Divulgadas as gravações que apontam para indícios de corrupção de Temer

Brasília - O Globo divulgou esta segunda-feira quatro gravações que contêm conversas por telefone que foram utilizadas pela polícia federal na investigação que aponta para indícios de corrupção do presidente brasileiro, Michel Temer.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Michel Temer, Presidente do Brasil

Foto: Pedro Parente

As gravações dão a entender que Temer recebeu subornos da construtora Odebrecht.

Os áudios contêm conversas entre o coronel João Baptista Lima Filho, amigo do presidente, e funcionários da Hoya Correctora de Valores, a empresa responsável pela entrega de dinheiro da Odebrecht a políticos. A empresa gravava as conversas dos seus funcionários e como forma de colaborar na investigação da polícia decidiu entregar as gravações às autoridades.

As investigações indicam que executivos da Odebrecht jantaram com Michel Temer no Palácio do Jaburu, a sua residência oficial, em 2014. Nesse jantar combinaram que a construtora iria dar 10 milhões de reais (cerca de 2,1 milhões de euros) ao partido de Temer, o Movimento Democrático Brasileiro. Desses 10 milhões, 1,4 milhões de reais (quase 300 mil euros) seriam entregues a Temer pelo coronel Lima.

No entender da polícia federal, nas conversas entre os funcionários da Hoya e o coronel Lima são utilizados códigos relativamente à entrega do dinheiro. Na primeira gravação, um dos funcionários fala na entrega de uma “encomenda”. Noutra gravação, o coronel Lima afirma que o valor das “actas” está abaixo do previsto.

A polícia federal juntou estas quatro gravações à investigação que entretanto seguiu para o Supremo Tribunal Federal.

A presidência do Brasil não quis comentar as gravações, realçando que “não se baseiam em factos. São apenas fantasias”. Já Temer referiu que está a ser vítima de “perseguição”.

 

Assuntos Polícia   Corrupção   Governação  

Leia também