Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Internacional

12 Setembro de 2018 | 01h12 - Actualizado em 12 Setembro de 2018 | 01h10

Grécia: Aliado de Tsipras pode romper aliança

Atenas - O líder dos Gregos Independentes, Panos Kammenos, parceiro menor de Alexis Tsipras, na coligação de Governo em Atenas, afirmou terça-feira que vai romper a aliança caso seja aprovado no parlamento o acordo entre a Grécia e a Macedónia sobre o futuro nome do país vizinho.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

"Se o acordo chegar ao parlamento, não temos o mandato popular para continuar no Governo", disse Kammenos, líder do partido da direita soberania Anel (Gregos Independentes) e ministro da Defesa.

Kammenos emitiu estas declarações numa conferência de imprensa em Salónica, capital da região da Grécia com o mesmo nome, onde se concentram o maior número de críticos a uma solução sobre o nome do país vizinho que inclua a designação de "Macedónia".

O líder do anel anunciou que vai propor ao primeiro-ministro Alexis Tsipras, líder do partido de esquerda Syriza, a convocação de um referendo sobre o acordo também na Grécia, à semelhança da consulta que vai decorrer na Macedónia em 30 de Setembro.

Em 17 de Junho, os chefes das diplomacias macedónia, Nikola Dimitrov, e grega, Nikos Kotzias, assinaram o Acordo que estabelece o novo nome de "República da Macedónia do Norte" ao pequeno país dos Balcãs, a nível nacional e internacional.

Desde a independência em 1991, e devido ao contencioso com Atenas, esta ex-república jugoslava era designada nos fóruns internacionais por Antiga República Jugoslava da Macedónia (FYROM, na sigla inglesa).

O acordo assinado entre Atenas e Skopje prevê que no caso de sucesso no referendo de 30 de Setembro na Macedónia, será necessária uma reforma constitucional nesta ex-república jugoslava, e ainda uma votação no parlamento helénico, que deveria ocorrer no início de 2019.

Assuntos Guerra   Internacional  

Leia também