Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Internacional

12 Setembro de 2018 | 11h12 - Actualizado em 12 Setembro de 2018 | 11h40

Idlib "não se pode transformar num banho de sangue", SG da ONU

Nova Iorque - O secretário-geral da ONU, António Guterres, afirmou hoje (12), em Nova Iorque, que a província síria de Idleb "não pode ser transformada num banho de sangue" e pediu à Rússia, Irão e Turquia que façam tudo para proteger os civis.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

António Guterres - Secretário Geral da ONU (arquivo)

Foto: JOSE MANUEL RIBEIRO

"A luta contra o terrorismo não isenta os beligerantes das suas obrigações perante a lei internacional", disse Guterres, numa nova declaração sobre a questão.

O chefe das Nações Unidas salientou que, embora seja necessário combater os terroristas, Idlib "não se pode transformar num banho de sangue".

António Guterres voltou a pedir uma solução pacífica para a província de Idlib, na Síria.

"É absolutamente essencial evitar uma batalha em grande escala em Idlib", disse Guterres aos jornalistas, lembrando que quase três milhões de pessoas vivem na província, incluindo um milhão de crianças, e que muitas delas estão deslocadas de outras áreas da Síria

O secretário-geral frisou ainda que pode ocorrer um "pesadelo humanitário" sem precedentes na guerra do país árabe.

Situada no noroeste sírio, na fronteira com a Turquia, a província de Idlib e os territórios rebeldes adjacentes foram nos últimos dias alvo de bombardeamentos de artilharia do Governo e de ataques aéreos de Moscovo.

Pelo menos três milhões de pessoas, perto de metade das quais deslocadas de outras regiões da Síria afectadas pela violência, vivem na província de Idled e em bolsas rebeldes nas províncias vizinhas de Hama, Alepo e Latáquia, segundo a ONU.

A batalha de Idlib, último bastião rebelde na Síria, pode tornar-se a "pior catástrofe humana" do século XXI, já tinha afirmado o secretário-geral adjunto da ONU para os Assuntos Humanitários, Mark Lowcock.

A guerra na Síria, desencadeada em 2011, já matou mais de 350 mil pessoas e obrigou milhões a abandonarem as suas casas.

Assuntos Conflito  

Leia também
  • 05/11/2018 18:05:14

    Forças coligadas intensificam combates no Iêmen

    Adem - Os combates em terra e no ar se intensificaram nesta segunda-feira em torno da cidade portuária de Hodeida, nas mãos dos rebeldes huthi no oeste do Iêmen, apesar de a coligação que os opõe, liderada pela Arábia Saudita, assegurar que não houve uma escalada do conflito.

  • 04/11/2018 07:14:38

    Ataques da coalizão contra EI na Síria matam 14 civis, diz OSDH

    Damasco - Ao menos 14 civis morreram, sábado, em ataques aéreos da coalizão internacional antiextremista, liderada pelos Estados Unidos, contra o último reduto do grupo Estado Islâmico (EI) no leste da Síria, informou o Observatório Sírio de Direitos Humanos (OSDH).

  • 01/11/2018 23:01:30

    Netanyahu denuncia 'hostilidade' da UE contra Israel

    Jerusalém - O primeiro-ministro israelita Benjamin Netanyahu denunciou nesta quinta-feira "a atitude hipócrita e hostil da União Europeia" (UE) contra Israel, antes de partir para a Bulgária, onde deve se reunir com quatro dirigentes da região

  • 31/10/2018 15:01:23

    Secretário de Estado norte-americano pede fim das hostilidades no Iémen

    Washington - O secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo, pediu nesta terça-feira o fim das hostilidades no Iémen, bem como a suspensão dos ataques aéreos da coligação árabe liderada por Riade.