Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Internacional

12 Setembro de 2018 | 11h01 - Actualizado em 12 Setembro de 2018 | 16h32

Putin pede "garantias" de segurança para Coreia do Norte em troca da desnuclearização

Vladivostok, Rússia - O presidente russo Vladimir Putin pediu hoje, quarta-feira, "garantias" de segurança internacionais para a Coreia do Norte em troca da desnuclearização que este país prometeu durante uma reunião da cimeira entre Donald Trump e Kim Jong Un, informou a AFP .

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

O presidente russo Vladimir Putin (Foto arquivo)

Foto: MARTIN BUREAU

"A Coreia do Norte recebeu a promessa de garantias de segurança em troca de uma desnuclearização", disse Putin durante um Fórum Económico em Vladivostok (Extremo Oriente).

"Mas me parece contraproducente que se peça a Coreia do Norte que faça tudo e não receba nada em troca", afirmou, antes de propor a Pyongyang "garantias internacionais", sobretudos das potências nucleares.

O dirigente norte-coreano Kim Jong Un se comprometeu com uma "desnuclearização completa" da península coreana em troca de "garantias de segurança", durante uma reunião histórica em 12 de Junho em Singapura com o presidente americano Donald Trump.

Desde então, as negociações sobre as modalidades e o calendário estão bloqueadas.

"A Coreia do Norte adoptou medidas para uma desnuclearização (...), mas parece que em troca espera sinais", disse Putin.

"Se a Coreia do Norte está satisfeita apenas com garantias americanas, estamos satisfeitos. Mas parece que garantias internacionais seriam apropriadas", completou.

Putin fez as declarações uma semana antes de uma nova reunião de cúpula entre as Coreias, prevista para acontecer entre 18 e 20 de Setembro em Pyongyang.

"Independente das dificuldades que nos aguardam no caminho, não renunciará à paz. Sul e Norte não devem voltar ao passado", afirmou o primeiro-ministro sul-coreano Lee Nak-yeon durante o fórum.

Assuntos Diplomacia  

Leia também