Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Internacional

12 Setembro de 2018 | 16h48 - Actualizado em 12 Setembro de 2018 | 16h48

Rússia nega que suspeitos de ataque aos Skripal trabalhem para a Rússia

Haia - O representante da Rússia na Opaq, Alexander Shulgin, disse nesta quarta-feira que os dois suspeitos do ataque ao ex-espião russo Sergei Skripal e a sua filha Yulia identificados pelo Reino Unido não pertencem aos seus serviços de inteligência e não têm "qualquer relação com as forças militares russas".

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

"É uma acusação totalmente infundada. Continuam a dizer que são agentes do GRU (Departamento Central de Inteligência). Negamos totalmente isso, não é verdade", afirmou Shulgin, que qualificou de "absurda" e "surrealista" a acusação britânica que a Rússia está por trás dos envenenamentos.

A Rússia convocou hoje os Estados parte da Organização para Proibição de Armas Químicas (Opaq) para uma sessão informativa na qual se ausentaram o Reino Unido, Estados Unidos e a França.

"Os britânicos querem um esclarecimento da situação por nossa parte e isso representa que devemos dar uma resposta. Se não querem tratar connosco directamente, podemos fazer através da secretaria técnica" da Opaq, disse o representante russo, embora tenha sugerido que a Rússia e a Inglaterra "explorem contactos bilaterais".

Com relação ao agente nervoso Novichok, usado por agentes russos para os envenenamentos segundo Londres, Shulgin apresentou um documento de 300 páginas para demonstrar que tal substância "foi utilizada por muitos países ocidentais".

O diplomata fez estas declarações ao deixar a sede da Opaq, em Haia, depois que o presidente russo, Vladimir Putin, afirmou que as autoridades russas conhecem as identidades de Alexander Petrov e Ruslan Boshirov, os dois suspeitos apontados pelo Reino Unido.

"Sabemos quem são, os encontramos", disse o chefe do Kremlin, que ressaltou que ambos são "civis", por isso que pediu que se dirijam aos órgãos de informação para que contem a sua versão, pois não "há nada de criminoso" nas suas condutas.

A procuradoria britânica já indicou que não solicitará à Rússia a extradição de Petrov e Boshirov porque a Constituição desse país não permite a entrega dos seus cidadãos, mas emitiu uma ordem europeia de detenção.

Assuntos Conflito  

Leia também