Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Internacional

12 Setembro de 2018 | 10h28 - Actualizado em 12 Setembro de 2018 | 11h01

Senador queria que Trump convencesse a China a assassinar Kim Jong-un

Washington - Plano de Lindsey Graham é revelado no novo livro de Bob Woodward. "Medo - Trump na Casa Branca", que chega às livrarias portuguesas em Novembro, continua a causar tempestades na administração Trump e na política norte-americano, noticiou hoje a Reuters.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

O clima de tensão entre Washington e Pyongyang parece ter serenado, sobretudo depois da cimeira de Singapura, quando Kim Jong-un e Donald Trump se encontraram pessoalmente, mas, em 2017, muitos temeram o pior, perante as ameaças constantes dos dois lados.

Durante esse período conturbado das relações entre Coreia do Norte e Estados Unidos, o senador republicano da Carolina do Sul, Lindsey Graham, acreditava ter a solução: mandar assassinar o presidente norte-coreano. E, nesse sentido, terá mesmo tentado influenciar Trump a convencer o Governo chinês.

Quem o diz é o jornalista Bob Woodward no seu novo livro ‘Medo – Trump na Casa Branca’, um livro que tem gerado grandes discussões em torno da administração Trump, com revelações bombásticas que prometem fazer correr muita tinta.

Segundo o reputado jornalista, que foi responsável por desvendar, em parceria com Carl Bernstein, o escândalo Watergate durante a presidência de Richard Nixon, o influente senador republicano sentou-se mesmo à mesa com Donald Trump, com H.R. McMaster, que na altura desempenhava o cargo de conselheiro de segurança nacional, e com James Mattis, secretário de defesa, em Setembro de 2017.

O plano de Lindsey Graham, conforme descreve o novo livro de Bob Woodward, de acordo com o The Independent, consistia em convencer a China a ordenar o assassinato do líder norte-coreano, de forma a colocar no poder um general militar que “pudessem controlar”.

Alguns meses depois, e após uma série de acusações de parte a parte, Trump e Kim Jong-un fizeram história e encontraram-se em Singapura, tendo ficado estabelecido que Pyongyang se compromete com a desnuclearização da península, apesar da incógnita que ainda permanece relativamente à concretização desta promessa. Entretanto, os dois líderes estão a trabalhar no sentido de marcar uma nova cimeira, segundo informou a Casa Branca.

O novo livro de Bob Woodward chega a Portugal em Novembro, com edição da D. Quixote. Em reacção aos excertos já divulgados da obra, Donald Trump considerou o livro "uma fraude".

Assuntos Diplomacia  

Leia também
  • 05/02/2019 14:53:35

    Rússia quer desenvolver novo míssil antes de 2021

    Moscovo - A Rússia planeia desenvolver até 2021 uma versão terrestre dos mísseis usados até agora pela Marinha russa, após Washington e Moscovo suspenderem a sua participação no tratado de armas nucleares de alcance intermediário, anunciou hoje o ministro da Defesa, Sergei Shoigu.

  • 05/02/2019 13:42:04

    Grupo de Lima compromete-se em não considerar opção militar na Venezuela

    Ottawa - O Grupo de Lima, com a ausência do México, que se desvinculou da iniciativa após a chegada ao poder do presidente Andrés Manuel López Obrador, disse que vai reiterar o seu apoio a um processo de transição pacífica através de meios políticos e diplomáticos sem o uso da força.

  • 05/02/2019 13:13:31

    Merkel quer que empresas chinesas não partilhem informações com Estado

    Tóquio - A chanceler alemã, Angela Merkel, pediu hoje a Pequim algumas salvaguardas para garantir que as empresas chinesas não partilhem informações com o Governo Central, numa altura de grande desconfiança ocidental em relação aos comportamentos da gigante Huawei, noticiou a Lusa.

  • 04/02/2019 19:24:46

    França: Diplomacia francesa diz que foi alcançado compromisso à africana na RDC

    Paris - O ministro dos Negócios Estrangeiros francês, Jean-Yves Le Drian, disse hoje que nas eleições na República Democrática do Congo (RDC) foi alcançado ?um compromisso à africana?, depois de anteriormente ter manifestado dúvidas sobre a vitória de Felix Tshisekedi.