Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Internacional

12 Setembro de 2018 | 10h28 - Actualizado em 12 Setembro de 2018 | 11h01

Senador queria que Trump convencesse a China a assassinar Kim Jong-un

Washington - Plano de Lindsey Graham é revelado no novo livro de Bob Woodward. "Medo - Trump na Casa Branca", que chega às livrarias portuguesas em Novembro, continua a causar tempestades na administração Trump e na política norte-americano, noticiou hoje a Reuters.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

O clima de tensão entre Washington e Pyongyang parece ter serenado, sobretudo depois da cimeira de Singapura, quando Kim Jong-un e Donald Trump se encontraram pessoalmente, mas, em 2017, muitos temeram o pior, perante as ameaças constantes dos dois lados.

Durante esse período conturbado das relações entre Coreia do Norte e Estados Unidos, o senador republicano da Carolina do Sul, Lindsey Graham, acreditava ter a solução: mandar assassinar o presidente norte-coreano. E, nesse sentido, terá mesmo tentado influenciar Trump a convencer o Governo chinês.

Quem o diz é o jornalista Bob Woodward no seu novo livro ‘Medo – Trump na Casa Branca’, um livro que tem gerado grandes discussões em torno da administração Trump, com revelações bombásticas que prometem fazer correr muita tinta.

Segundo o reputado jornalista, que foi responsável por desvendar, em parceria com Carl Bernstein, o escândalo Watergate durante a presidência de Richard Nixon, o influente senador republicano sentou-se mesmo à mesa com Donald Trump, com H.R. McMaster, que na altura desempenhava o cargo de conselheiro de segurança nacional, e com James Mattis, secretário de defesa, em Setembro de 2017.

O plano de Lindsey Graham, conforme descreve o novo livro de Bob Woodward, de acordo com o The Independent, consistia em convencer a China a ordenar o assassinato do líder norte-coreano, de forma a colocar no poder um general militar que “pudessem controlar”.

Alguns meses depois, e após uma série de acusações de parte a parte, Trump e Kim Jong-un fizeram história e encontraram-se em Singapura, tendo ficado estabelecido que Pyongyang se compromete com a desnuclearização da península, apesar da incógnita que ainda permanece relativamente à concretização desta promessa. Entretanto, os dois líderes estão a trabalhar no sentido de marcar uma nova cimeira, segundo informou a Casa Branca.

O novo livro de Bob Woodward chega a Portugal em Novembro, com edição da D. Quixote. Em reacção aos excertos já divulgados da obra, Donald Trump considerou o livro "uma fraude".

Assuntos Diplomacia  

Leia também
  • 11/09/2018 17:31:22

    Missão diplomática palestiniana em Washington recebe ordem para encerrar

    Jerusalém - O representante da Organização para a Libertação da Palestina (OLP) em Washington, Hussam Zomlot, que está em Ramala desde que foi chamado para consultas em Maio, informou nesta terça-feira que os Estados Unidos deram um mês de prazo para o encerramento da sua missão diplomática.

  • 11/09/2018 13:03:26

    China pede à OMC sanções em disputa comercial com os EUA

    Genebra - A China pedirá à Organização Mundial do Comércio (OMC) na próxima semana permissão para impor sanções aos Estados Unidos, devido ao facto de Washington não observar uma regra em disputa sobre taxas de dumping que a China iniciou em 2013, mostrou nesta terça-feira a agenda de uma reunião.

  • 11/09/2018 10:12:34

    EUA acusam Governo venezuelano de roubar ouro e ajuda humanitária

    Washington - Os Estados Unidos acusaram na segunda-feira o Governo venezuelano de explorar ilegalmente jazidas de ouro do país e "de roubar" o sistema de distribuição de alimentos à população.