Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Internacional

10 Setembro de 2018 | 23h45 - Actualizado em 10 Setembro de 2018 | 23h44

Tribunal Superior Eleitoral nega adiamento de prazo de substituição de Lula

Brasilia - A justiça eleitoral brasileira negou, um recurso do Partido dos Trabalhadores (PT) que pedia mais tempo para substituir Lula da Silva como candidato presidencial e confirmou que o prazo para apresentação de um novo candidato termina na terça-feira.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

A presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Rosa Weber, rejeitou um recurso interposto pelo PT neste fim-de-semana e explicou que "não se justifica" alterar a decisão do mesmo tribunal, que, por grande maioria vetou a candidatura de Lula da Silva e pediu ao PT para apresentar um novo candidato até 11 de Setembro.
 

De acordo com a decisão do TSE, se o PT não inscrever um novo candidato até à data estabelecida, não poderá participar com o seu próprio representante nas eleições presidenciais que se realizam a 07 de Outubro.
 

A candidatura de Lula, que cumpre na prisão uma sentença de doze anos por corrupção, foi registada pelo PT e depois vetada pelo TSE, com base na lei que proíbe alguém condenado em duas instâncias de concorrer a qualquer cargo eleitoral, como é o seu caso.
 

O PT afirmou que vai insistir na candidatura de Lula "até às últimas consequências", mas admitiu também que se todas as vias legais forem esgotadas, o ex-presidente brasileiro pode ser substituído pelo ex-ministro da Educação, Fernando Haddad.
 

Lula da Silva foi condenado pela Justiça brasileira, em duas instâncias, a 12 anos e um mês de prisão num processo em que é acusado de ter recebido um apartamento de luxo na cidade do Guarujá da construtora OAS, em troca de favorecer contratos da empresa com a estatal petrolífera Petrobras.
 
 

Assuntos Eleições  

Leia também