Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Internacional

21 Setembro de 2018 | 05h25 - Actualizado em 21 Setembro de 2018 | 10h07

EUA sancionam entidade chinesa por comprar armas russas

Washington - Os Estados Unidos da América sancionaram nesta quinta-feira (20) uma unidade militar chinesa pela compra de armas e aviões russos, punindo pela primeira vez uma entidade estrangeira por seus negócios com a Rússia e, assim, aumentando a pressão sobre Moscovo pelo que considerou "actividades malignas", informou a AFP.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Bandeiras dos Estados Unidos de América e da República Popular da China.

Foto: Nelson Malamba

O governo de Donald Trump disse que aplicou as sanções sob uma lei aprovada pelo Congresso no ano passado para punir o governo da Rússia por sua interferência nas eleições americanas e sua política na Ucrânia.

"O objectivo final dessas sanções é a Rússia", disse um funcionário de alto escalão. Essas medidas "não pretendem minar as capacidades de defesa de nenhum país, mas buscam impor custos à Rússia em resposta a suas actividades malignas", assinalou sob condição de anonimato.

A Lei para Contra-Arrestar os Adversários dos Estados Unidos por meio de Sanções, conhecida por sua sigla em inglês CAATSA, foi aprovada em 2017 como uma ferramenta do governo para punir Rússia, Irão e a Coreia do Norte com sanções económicas e políticas.

No que diz respeito à Rússia, a lei pune a "agressão na Ucrânia, a anexação da Crimeia, intrusões e ataques cibernéticos, interferência nas eleições de 2016 e outras actividades malignas", anunciou o Departamento de Estado.

Os Estados Unidos aplicaram esta norma nesta quinta contra o Departamento de Desenvolvimento de Equipamentos (DDE) do Ministério da Defesa da China pela compra de aviões de combate russos Sukhoi Su-35 e mísseis S-400, disse o Departamento de Estado em comunicado.

Além disso, indicou que 33 indivíduos ou entidades da Inteligência russa e/ou ligados ao Exército serão incluídos na lista negra de sanções desta lei.

Assuntos Conflito  

Leia também
  • 11/11/2018 03:09:22

    Síria protesta à ONU por ataque aéreo de coligação liderada pelos EUA

    Beirute - O governo sírio protestou à Organização das Nações Unidas (ONU) contra o ataque aéreo da coligação liderada pelos Estados Unidos contra o Estado Islâmico, que teria matado 26 civis em Hajin, na região Deir al-Zor, no leste, informou a imprensa estatal neste sábado.

  • 05/11/2018 18:05:14

    Forças coligadas intensificam combates no Iêmen

    Adem - Os combates em terra e no ar se intensificaram nesta segunda-feira em torno da cidade portuária de Hodeida, nas mãos dos rebeldes huthi no oeste do Iêmen, apesar de a coligação que os opõe, liderada pela Arábia Saudita, assegurar que não houve uma escalada do conflito.

  • 04/11/2018 07:14:38

    Ataques da coalizão contra EI na Síria matam 14 civis, diz OSDH

    Damasco - Ao menos 14 civis morreram, sábado, em ataques aéreos da coalizão internacional antiextremista, liderada pelos Estados Unidos, contra o último reduto do grupo Estado Islâmico (EI) no leste da Síria, informou o Observatório Sírio de Direitos Humanos (OSDH).

  • 01/11/2018 23:01:30

    Netanyahu denuncia 'hostilidade' da UE contra Israel

    Jerusalém - O primeiro-ministro israelita Benjamin Netanyahu denunciou nesta quinta-feira "a atitude hipócrita e hostil da União Europeia" (UE) contra Israel, antes de partir para a Bulgária, onde deve se reunir com quatro dirigentes da região