Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Internacional

11 Janeiro de 2019 | 12h31 - Actualizado em 13 Janeiro de 2019 | 12h22

Brasil tem sido "exemplo para o mundo" no acolhimento de refugiados, diz porta-voz d ACNUR

Brasília - O porta-voz do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR) no Brasil afirmou que o país tem sido "um exemplo para o mundo" no acolhimento de refugiados.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Logotipo do ACNUR

Foto: Foto divilgação

Luiz Fernando Godinho explicou numa entrevista publicada na quinta-feira no 'site' de notícias da Organização das Nações Unidas que o Brasil "está longe dos principais conflitos, mas tem uma população diversificada de refugiados, com mais de 80 nacionalidades", destacando o acolhimento de um grande número de pessoas provenientes da Venezuela.

"De acordo com números das autoridades federais, o Brasil estará hoje a abrigar cerca de cem mil dessas pessoas [refugiados venezuelanos]. Continuam a chegar, maioritariamente, pela fronteira norte do Brasil, por Roraima, e já se encontram em diversas partes do país, graças a um programa inovador de realojamento das pessoas no país", declarou Godinho.

O porta-voz do ACNUR no Brasil mencionou também a "grande receptividade" por parte do povo brasileiro e as oportunidade que têm sido dadas a quem atravessa a fronteira à procura de melhores condições de vida.

"Os refugiados têm encontrado no país oportunidades de trabalho e uma receptividade muito grande por parte da sociedade civil.

Consideramos que tem sido muito positiva a integração dessas pessoas no Brasil", acrescentou.

Luiz Fernando Godinho destacou ainda os maiores desafios que esta população enfrenta: "Os refugiados que aqui chegam apresentam uma série de necessidades humanitárias. Precisam de alimentação, saúde, mas sem esquecer a questão da documentação e do registo dessas pessoas, para que elas possam ter acesso aos serviços básicos que os países que as acolhem oferecem", frisou.

O porta-voz afirmou que "o mundo vive uma das crises humanitárias, especificamente de refugiados, maiores da sua história", mas garantiu que está a ser feito um trabalho conjunto entre a sociedade civil, entidades governamentais e com agências da Organização das Nações Unidas.

Assuntos Refugiados  

Leia também
  • 12/01/2019 23:26:15

    Jovem que fugiu da Arábia Saudita chega ao Canadá após receber asilo

    Toronto - Rahaf Mohamed al-Qunun, a jovem saudita que chamou a atenção do mundo inteiro depois de fugir da família e solicitar asilo no exterior, chegou neste sábado (12) ao aeroporto de Toronto, onde foi recebida pela ministra das Relações Exteriores do Canadá, Chrystia Freeland.

  • 11/12/2018 09:08:21

    Futebolista refugiado do Bahrein enfrenta extradição na Tailândia

    Banguecoque - O futebolista do Bahrein Hakeem al-Araibi, reconhecido como refugiado na Austrália, vai começar a ser ouvido hoje num tribunal tailandês, quando arrisca um processo de extradição para o país de origem, informou a advogada de defesa.

  • 28/11/2018 17:08:06

    Governo saudita doa USD 50 milhões à agência da ONU para refugiados palestinianos

    Riad, Arábia Saudita - A Arábia Saudita confirmou nesta quarta-feira uma doação de 50 milhões de dólares à Agência das Nações Unidas para os Refugiados Palestinianos, que enfrenta sérias dificuldades financeiras desde a interrupção da ajuda dos Estados Unidos decidida pelo presidente Donald Trump.