Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Internacional

12 Janeiro de 2019 | 00h22 - Actualizado em 13 Janeiro de 2019 | 12h28

Papa recebe bispos chilenos para debater combate à pedofilia

Santiago - O papa Francisco receberá, na próxima segunda-feira (14), um grupo de bispos chilenos que vai apresentar as medidas tomadas para tentar combater os casos de pedofilia cometidos por membros do clero, após o escândalo que abalou a Igreja Católica no país.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Vaticano: Papa Francisco

Foto: Cedida pelo Vaticano

A informação foi confirmada na sexta-feira pela Conferência Episcopal do Chile.

A audiência privada, solicitada pela hierarquia chilena, "pretende levar ao conhecimento do Pontífice o caminho percorrido pela Igreja no Chile, desde a reunião que realizou em Maio, no Vaticano, com os bispos chilenos".

Na ocasião, todos os bispos apresentaram sua renúncia em decorrência da grave crise causada pela avalanche de denúncias de abuso sexual contra menores e também pelas revelações de acobertamento de membros da alta hierarquia da igreja.

"Em um espírito de comunhão e colaboração com o Papa, os bispos apresentarão as medidas em curso, compromissos e projecções", diz o comunicado.    

O encontro com o Santo Padre foi solicitado em Novembro. A comitiva será composta por oito bispos e arcebispos membros da comissão permanente da Conferência Episcopal do Chile.    

No início do ano passado, uma missão coordenada pelo arcebispo de Malta, Charles Scicluna, revelou a extensão dos escândalos sexuais na igreja chilena e provocou a demissão colectiva de todo o episcopado do país. Na época, o papa Francisco confirmou o afastamento do ex-bispo de Osorno Juan Barros Madrid, acusado de acobertar denúncias contra o padre Fernando Karadima, que teve o estado clerical revogado.   

O relatório de Scicluna tem 2,3 mil páginas e os depoimentos de 64 vítimas e familiares de pessoas afectadas por casos de pedofilia no país.

Assuntos Internacional  

Leia também