Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Internacional

11 Janeiro de 2019 | 17h00 - Actualizado em 11 Janeiro de 2019 | 17h00

Rússia acusa EUA de atentarem contra soberania da Venezuela

Moscovo - A Rússia acusou os Estados Unidos nesta sexta-feira de atentar abertamente contra a soberania da Venezuela ao promover a criação de "estruturas governamentais alternativas" no país latino-americano, e reiterou seu apoio ao presidente venezuelano, Nicolás Maduro, noticiou a EFE.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

"A desavergonhada política de Washington, que aponta para a criação anti-constitucional de estruturas governamentais alternativas da Venezuela (...), é um atentado aberto contra a soberania venezuelana", afirmou o Ministério dos Negócios Estrangeiros da Rússia em comunicado.

Moscovo destacou que a tentativa de aplicar na Venezuela a Carta Democrática Inter-americana por uma suposta ruptura da ordem democrática é uma "via absolutamente sem perspectivas".

"Não se deve provocar uma maior divisão da sociedade venezuelana. É preciso promover a busca da concórdia, a união dos esforços do governo e a oposição a fim de diminuir a tensão", acrescentou a diplomacia russa.

Na sua opinião, muitos países latino-americanos compartilham deste ponto de vista.

O Departamento dirigido por Sergei Lavrov também confirmou que a Rússia "cooperará estreitamente com a Venezuela, com o seu povo e as suas autoridades legítimas", e continuará a  aprofundar as suas relações de parceria estratégica com Caracas.

"Continuaremos a ajudar a Venezuela para que saia da complexa situação económica em que se encontra", indicou Moscovo.

Maduro tomou posse nesta quinta-feira para um segundo mandato como presidente da Venezuela em meio a críticas internacionais sobre a legitimidade da sua vitória nas eleições de Maio no último ano.
 
 

Assuntos Conflito  

Leia também