Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Internacional

06 Fevereiro de 2019 | 06h04 - Actualizado em 06 Fevereiro de 2019 | 08h56

Bolsonaro reúne-se com Trump na Casa Branca em meados de março

Washington - O chefe de Estado do Brasil, Jair Bolsonaro, vai reunir-se em meados de março com o Presidente norte-americano, na Casa Branca, anunciou, na terça-feira, em Washington, o ministro das Relações Exteriores brasileiro.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Arte das Fotos dos Presidentes dos EUA, Donald Trump e do Brasil, Jair Bolsonaro

Foto: Arte Osvaldo Pedro

O encontro vai acontecer "em meados de março", disse Ernesto Araújo, acrescentando que ainda se está a estudar uma data exacta.

O ministro das Relações Exteriores do Brasil esteve reunido, em Washington, com o homólogo norte-americano, Mike Pompeo.

De acordo com Araújo, Bolsonaro e Trump vão abordar questões económicas e questões relacionadas com a segurança e a diplomacia na América Latina.

Em relação à reunião com Pompeu, Ernesto Araújo afirmou que um dos principais temas foi a crise na Venezuela.

A crise política na Venezuela agravou-se em 23 de janeiro, quando o líder da Assembleia Nacional, Juan Guaidó, se autoproclamou Presidente da República interino e declarou que assumia os poderes executivos de Nicolás Maduro.

Guaidó, de 35 anos, contou com o apoio imediato dos Estados Unidos e prometeu formar um governo de transição e organizar eleições livres.

Nicolás Maduro, de 56 anos, chefe de Estado desde 2013, recusou o desafio de Guaidó e denunciou a iniciativa do líder do parlamento, dominado pela oposição, como uma tentativa de golpe de Estado liderada por Washington.

Esta crise política soma-se a uma grave crise económica e social que levou 2,3 milhões de pessoas a fugirem do país desde 2015, segundo dados das Nações Unidas.
 

Assuntos Internacional  

Leia também