Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Internacional

07 Fevereiro de 2019 | 19h21 - Actualizado em 07 Fevereiro de 2019 | 19h21

Haiti vive dia de protestos no aniversário da chegada do presidente ao poder

Porto Príncipe - O Haiti, imerso numa profunda crise política e económica, vive nesta quinta-feira um dia de protestos contra o governo, coincidindo com o segundo aniversário da chegada ao poder do presidente do país, Jovenel Moise.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Nas primeiras horas do dia, algumas áreas da capital foram bloqueadas, enquanto as aulas foram suspensas e há pouca actividade nas ruas de Porto Príncipe.

Os protestos foram convocados por sectores da oposição haitiana para exigir a renúncia de Moise.

Em comunicado, a Polícia Nacional advertiu que não ficará de "braços cruzados" se houver violência nos protestos, que os organizadores esperam terminar nos arredores da sede do Palácio Nacional.

Líderes opositores como Andre Michel e o ex-candidato presidencial Jean-Charles Moise apoiam o protesto, assim como o Grupo Petro Challenger, surgido em 2018 para exigir justiça nas supostas irregularidades no programa Petrocaribe, através do qual a Venezuela fornece petróleo ao Haiti a preços baixos.

"Jovenel Moise é o obstáculo número um para o julgamento do Petrocaribe; o presidente não tem legitimidade nem poder de fazer nada. Ninguém acredita na palavra do presidente e no seu governo. O último exemplo é o estado de emergência econômica, é algo ridículo", afirmou Michel em conferência de imprensa.

O opositor referia-se a uma série de medidas que o governo anunciou na última terça-feira, entre as quais figuram reduzir o custo dos bens de primeira necessidade, aumentar o acesso ao crédito das pequenas empresas, ajudas para o sector agrícola, o relançamento da actividade económica e o reforço dos programas sociais.

"Eles (o governo) gastam o dinheiro, o roubaram e agora estão a tentar enganar o povo com decisões que não servem para nada. Convocamos o povo a se mobilizar em todo o país para tirar estes corruptos do poder", expôs Michel.

A situação do Haiti piorou este ano por uma forte desvalorização do gourde e pela crise de electricidade derivada da escassez de gasolina, após um 2018 marcado por sérias dificuldades no âmbito político, económico e social, agravadas pelos protestos populares contra a corrupção e a impunidade.

Assuntos Manifestações  

Leia também
  • 07/02/2019 19:13:44

    Vice-presidente italiano classifica como "legítima" reunião com "coletes amarelos"

    Roma - O vice-presidente do Governo italiano Luigi Di Maio definiu como "legítima" nesta quinta-feira a sua reunião com um grupo de "coletes amarelos" e pediu diálogo ao Governo da França, que chamou para consultas o seu embaixador em Roma por estes factos.

  • 31/01/2019 15:44:51

    Vítimas de abusos farão protesto durante cimeira do Papa

    Cidade do Vaticano - A ONG Ending Clergy Abuse (ECA), organização a favor de vítimas de abusos sexuais, convocou uma marcha para o próximo dia 23 de Fevereiro em Roma, na Itália, para exigir o fim da impunidade em casos de pedofilia na Igreja Católica.

  • 28/01/2019 12:57:44

    Guaidó convoca manifestação nacional e internacional para sábado

    Caracas - O autoproclamado Presidente interino da Venezuela, Juan Guaidó, convocou para o próximo sábado uma grande manifestação nacional e internacional de apoio à União Europeia e ao ultimato dado ao Presidente Nicolás Maduro para convocar eleições livres no país.