Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Internacional

09 Novembro de 2019 | 01h47 - Actualizado em 10 Novembro de 2019 | 13h13

Pedro Sánchez confia que PSOE vai resolver crise e bloqueio em Espanha

Barcelona, Espanha - O líder do PSOE, Pedro Sánchez, disse sexta-feira no comício de encerramento da campanha eleitoral socialista, realizado em Barcelona, que a crise catalã e o bloqueio político vão ser ultrapassados.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Pedro Sanchez, Primeiro-ministro espanhol (arquivo)

Foto: JAVIER LIZON / POOL

"O mais forte não é o que grita mais alto e por isso vamos superar esta crise (da Catalunha) e vai reconhecer-se a contribuição dos socialistas catalães. Vai-se ver já no domingo", disse o líder do PSOE e presidente do governo, em funções.

"É preciso que haja governo. Travar os franquistas e que seja progressista", disse Sánchez, frisando que é preciso derrubar o "muro do bloqueio".

"Se quisermos um governo progressista contra a ultra direita e um partido ponderado para lutar com os extremismos, aqui está o PSOE", disse Pedro Sánchez alertando para a presença de pactos à direita dos socialistas.

"É verdade que vemos cada vez mais extremismos e 'ultras'" disse sublinhando que existe um problema de extremismos como na Catalunha", referindo-se indirectamente ao Vox e à crise catalã.

"Catalunha vai cobrir-se de vermelho porque vamos vencer estas eleições", disse Sánchez manifestando também o desejo que nas próximas eleições autonómicas o Partido Socialista da Catalunha (PSC) vai ganhar.

A Espanha vai domingo pela quarta vez em quatro anos a eleições.

As eleições foram convocadas em Setembro pelo rei de Espanha, depois de constatar que Pedro Sánchez não conseguiu reunir os apoios suficientes para ser investido primeiro-ministro pela maioria absoluta dos deputados ou, numa segunda volta, apenas pela maioria simples.

A campanha eleitoral mais curta de sempre, apenas oito dias, terminou às 24:00, Hoje (sábado) será um dia de reflexão e domingo os espanhóis votam das 09:00 até às 20:00.

"O mais forte não é o que grita mais alto e por isso vamos superar esta crise (da Catalunha) e vai reconhecer-se a contribuição dos socialistas catalães. Vai-se ver já no domingo", disse o líder do PSOE e presidente do governo, em funções.

"É preciso que haja governo. Travar os franquistas e que seja progressista", disse Sánchez, frisando que é preciso derrubar o "muro do bloqueio".

"Se quisermos um governo progressista contra a ultra direita e um partido ponderado para lutar com os extremismos, aqui está o PSOE", disse Pedro Sánchez alertando para a presença de pactos à direita dos socialistas.

"É verdade que vemos cada vez mais extremismos e 'ultras'" disse sublinhando que existe um problema de extremismos como na Catalunha", referindo-se indirectamente ao Vox e à crise catalã.

"Catalunha vai cobrir-se de vermelho porque vamos vencer estas eleições", disse Sánchez manifestando também o desejo que nas próximas eleições autonómicas o Partido Socialista da Catalunha (PSC) vai ganhar.

A Espanha vai domingo pela quarta vez em quatro anos a eleições.

As eleições foram convocadas em Setembro pelo rei de Espanha, depois de constatar que Pedro Sánchez não conseguiu reunir os apoios suficientes para ser investido primeiro-ministro pela maioria absoluta dos deputados ou, numa segunda volta, apenas pela maioria simples.

A campanha eleitoral mais curta de sempre, apenas oito dias, terminou às 24:00, Hoje (sábado) será um dia de reflexão e domingo os espanhóis votam das 09:00 até às 20:00.

"O mais forte não é o que grita mais alto e por isso vamos superar esta crise (da Catalunha) e vai reconhecer-se a contribuição dos socialistas catalães. Vai-se ver já no domingo", disse o líder do PSOE e presidente do governo, em funções.

"É preciso que haja governo. Travar os franquistas e que seja progressista", disse Sánchez, frisando que é preciso derrubar o "muro do bloqueio".

"Se quisermos um governo progressista contra a ultra direita e um partido ponderado para lutar com os extremismos, aqui está o PSOE", disse Pedro Sánchez alertando para a presença de pactos à direita dos socialistas.

"É verdade que vemos cada vez mais extremismos e 'ultras'" disse sublinhando que existe um problema de extremismos como na Catalunha", referindo-se indirectamente ao Vox e à crise catalã.

"Catalunha vai cobrir-se de vermelho porque vamos vencer estas eleições", disse Sánchez manifestando também o desejo que nas próximas eleições autonómicas o Partido Socialista da Catalunha (PSC) vai ganhar.

A Espanha vai domingo pela quarta vez em quatro anos a eleições.

As eleições foram convocadas em Setembro pelo rei de Espanha, depois de constatar que Pedro Sánchez não conseguiu reunir os apoios suficientes para ser investido primeiro-ministro pela maioria absoluta dos deputados ou, numa segunda volta, apenas pela maioria simples.

A campanha eleitoral mais curta de sempre, apenas oito dias, terminou às 24:00, Hoje (sábado) será um dia de reflexão e domingo os espanhóis votam das 09:00 até às 20:00.

"O mais forte não é o que grita mais alto e por isso vamos superar esta crise (da Catalunha) e vai reconhecer-se a contribuição dos socialistas catalães. Vai-se ver já no domingo", disse o líder do PSOE e presidente do governo, em funções.

"É preciso que haja governo. Travar os franquistas e que seja progressista", disse Sánchez, frisando que é preciso derrubar o "muro do bloqueio".

"Se quisermos um governo progressista contra a ultra direita e um partido ponderado para lutar com os extremismos, aqui está o PSOE", disse Pedro Sánchez alertando para a presença de pactos à direita dos socialistas.

"É verdade que vemos cada vez mais extremismos e 'ultras'" disse sublinhando que existe um problema de extremismos como na Catalunha", referindo-se indirectamente ao Vox e à crise catalã.

"Catalunha vai cobrir-se de vermelho porque vamos vencer estas eleições", disse Sánchez manifestando também o desejo que nas próximas eleições autonómicas o Partido Socialista da Catalunha (PSC) vai ganhar.

A Espanha vai domingo pela quarta vez em quatro anos a eleições.

As eleições foram convocadas em Setembro pelo rei de Espanha, depois de constatar que Pedro Sánchez não conseguiu reunir os apoios suficientes para ser investido primeiro-ministro pela maioria absoluta dos deputados ou, numa segunda volta, apenas pela maioria simples.

A campanha eleitoral mais curta de sempre, apenas oito dias, terminou às 24:00, Hoje (sábado) será um dia de reflexão e domingo os espanhóis votam das 09:00 até às 20:00.

"O mais forte não é o que grita mais alto e por isso vamos superar esta crise (da Catalunha) e vai reconhecer-se a contribuição dos socialistas catalães. Vai-se ver já no domingo", disse o líder do PSOE e presidente do governo, em funções.

"É preciso que haja governo. Travar os franquistas e que seja progressista", disse Sánchez, frisando que é preciso derrubar o "muro do bloqueio".

"Se quisermos um governo progressista contra a ultra direita e um partido ponderado para lutar com os extremismos, aqui está o PSOE", disse Pedro Sánchez alertando para a presença de pactos à direita dos socialistas.

"É verdade que vemos cada vez mais extremismos e 'ultras'" disse sublinhando que existe um problema de extremismos como na Catalunha", referindo-se indirectamente ao Vox e à crise catalã.

"Catalunha vai cobrir-se de vermelho porque vamos vencer estas eleições", disse Sánchez manifestando também o desejo que nas próximas eleições autonómicas o Partido Socialista da Catalunha (PSC) vai ganhar.

A Espanha vai domingo pela quarta vez em quatro anos a eleições.

As eleições foram convocadas em Setembro pelo rei de Espanha, depois de constatar que Pedro Sánchez não conseguiu reunir os apoios suficientes para ser investido primeiro-ministro pela maioria absoluta dos deputados ou, numa segunda volta, apenas pela maioria simples.

A campanha eleitoral mais curta de sempre, de apenas oito dias, terminou este sábado. Domingo os espanhóis votam das 09:00 até às 20:00.

Assuntos Política  

Leia também
  • 09/11/2019 10:41:08

    Policias se revoltam na Bolívia

    La Paz - Unidades da polícia nas cidades de La Paz, Santa Cruz, Sucre e Cochabamba se rebelaram nesta sexta-feira contra a vitória eleitoral do presidente Evo Morales, que denunciou um "golpe" em andamento na Bolívia.

  • 09/11/2019 06:37:41

    Alemanha celebra 30 anos da queda do muro de Berlim

    Berlim - A Alemanha lembra hoje os 30 anos da queda do muro que dividiu Berlim durante quase três décadas com um evento multimédia que culmina uma semana de celebrações para explicar um momento histórico, segundo a organização.

  • 09/11/2019 06:25:04

    Primeiras praias brasileiras atingidas por derrame de petróleo aptas para banhos

    Brasília - As principais praias do estado brasileiro de Pernambuco, das primeiras a serem atingidas pelo derrame de petróleo que afecta o nordeste do país desde Setembro, foram declaradas adequadas para banhos pelas autoridades locais, na sexta-feira.

  • 09/11/2019 06:08:08

    "Choque" do "Brexit' reforçou a União Europeia - Von der Leyen

    Berlim - A presidente eleita da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, considerou sexta-feira que o "choque do "Brexit" reforçou a União Europeia (UE).