Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Internacional

08 Novembro de 2019 | 19h29 - Actualizado em 08 Novembro de 2019 | 19h29

Rússia e Turquia iniciam patrulhas na Síria em novas áreas

Moscovo - As forças turcas e russas estão a patrulhar uma área com mais de 100 quilómetros no norte da Síria.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Mapa da Síria

Foto: Divulgação

A terceira patrulha russo-turca iniciou o seu trabalho no nordeste da cidade síria de Qamishli, informou o Ministério da Defesa da Rússia.

Como foi especificado pelo ministério, pela primeira vez o patrulhamento conjunto decorrerá ao longo de uma nova rota, em uma extensão de mais de 100 quilómetros. Os militares começarão a partir do posto alfandegário de Deiru Naga e seguirão para leste, ao longo da fronteira sírio-turca, passando por várias cidades.

A situação no norte da República Árabe deteriorou-se no início de Outubro, quando a Turquia anunciou o lançamento da Operação Fonte de Paz contra as forças curdas. No dia 17 de Outubro, Ancara suspendeu os combates a fim de permitir que os curdos retirassem as suas formações da zona tampão de 30 quilómetros da fronteira.

Em 22 de Outubro, Vladimir Putin e Recep Erdogan realizaram conversações de seis horas, resultando em um memorando de entendimento de dez pontos.

O documento prevê a introdução de unidades da Polícia Militar russa e de guardas de fronteira sírios no lado sírio da fronteira com a Turquia, fora da zona de operação Fonte de Paz. Estas unidades destinam-se a facilitar a retirada das forças curdas e das suas armas a 30 quilómetros da fronteira sírio-turca e a efectuar patrulhas conjuntas.

Mais tarde, o ministro da Defesa russo, Sergei Shoigu, anunciou a retirada antecipada dos curdos da zona de segurança. Nas rotas controladas pela Rússia e Turquia passaram a ser efectuados voos de reconhecimento e a desminagem do terreno.

Assuntos Defesa  

Leia também