Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Internacional

22 Novembro de 2019 | 19h59 - Actualizado em 22 Novembro de 2019 | 19h59

Violência física ou sexual contra mulheres na UE é "alarmante", diz CE

Lisboa - Uma em cada três mulheres na União Europeia (UE) já foi vítima de violência física ou sexual, referiu hoje a Comissão Europeia, admitindo a “dimensão alarmante” do problema e garantindo acção contra este tipo de situações.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Bandeira da União Europeia

Foto: Rosário dos Santos

“A violência exercida contra as mulheres e raparigas representa uma violência contra toda a humanidade que já não deveria ter lugar na Europa nem no resto do mundo, mas todos sabemos que, não obstante o nosso empenho, ainda estamos longe de vencer este desafio”, admitiu, em comunicado, a vice-presidente da Comissão Europeia e Alta Representante da UE para Relações Externas e Política de Segurança, Federica Mogherini.

De acordo com a responsável, “a dimensão do problema continua a ser alarmante”, já que, na Europa, uma em cada três mulheres já foi vítima de violência física e/ou sexual” e que, “na UE, praticamente todas as vítimas de tráfico para fins de exploração sexual são mulheres ou raparigas”.

“A violência contra as mulheres manifesta-se em qualquer lugar, não existindo um lugar seguro, nem mesmo em casa. Bem pelo contrário, as mulheres são vítimas de violência tanto na sua própria casa como no local de trabalho, nas escolas e universidades, na rua, em situações de trânsito e migração, e cada vez mais na Internet através da violência em linha e do incitamento ao ódio”, refere Federica Mogherini.

Para a Alta Representante, é “responsabilidade da UE e da comunidade internacional manter o compromisso de prevenir, rejeitar e condenar abertamente todos os actos de violência contra as mulheres e raparigas”.

“Também é nosso dever apoiar e proteger as vítimas, proporcionando um ambiente seguro que lhes permita denunciar os crimes cometidos pelos seus agressores”, aponta a responsável, garantindo que a UE “está empenhada em continuar a trabalhar incansavelmente com os seus parceiros para reforçar os quadros jurídicos e institucionais, apoiando o desenvolvimento e a educação, melhorando os serviços prestados às vítimas que sobrevivem às agressões, combatendo as causas profundas da violência e promovendo a capacitação das mulheres”, isto fora e dentro da Europa.

Em 2017 e 2018, a UE disponibilizou um valor estimado em mais de 62 milhões de euros para ajuda humanitária e acções de prevenção e de resposta à violência sexual e de género em todo o mundo no quadro dos seus programas em matéria de protecção e de saúde.

A declaração de Federica Mogherini surge a propósito do Dia Internacional pela Eliminação da Violência contra as Mulheres, que se assinala na segunda-feira.

Nessa noite, a sede da Comissão Europeia, em Bruxelas, estará iluminada de laranja como forma de apoio à luta relativa à violência contra mulheres.

Assuntos Violência  

Leia também
  • 21/11/2019 12:21:52

    UE exige "diálogo inclusivo" no Irão após violência em protestos no país

    Bruxelas - A porta-voz da diplomacia europeia, Maja Kocijancic, exigiu hoje, quinta-feira, que as autoridades iranianas optem pelo "diálogo inclusivo", em vez do uso da violência nos protestos no país, e enviou as condolências às famílias das vítimas, noticia a Lusa.

  • 19/11/2019 19:37:37

    Nicarágua intensifica violência contra membros da Igreja e opositores

    Manágua - A violência e o cerco aos templos católicos da Nicarágua aumentaram na segunda-feira (18), num momento de repressão do governo de Daniel Ortega a opositores que iniciaram greves de fome em duas igrejas para exigir a libertação de 139 "presos políticos".

  • 19/11/2019 09:28:25

    Forças de segurança dispersam protestos em Caracas

    Caracas - Funcionários da Polícia Nacional Bolivariana (PNB) dispersaram hoje, terça-feira, vários protestos em Caracas, capital da Venezuela, entre eles o de dezenas de pessoas que reclamavam pelas falhas nos serviços públicos, noticiou a Lusa.