Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Internacional

19 Novembro de 2019 | 18h35 - Actualizado em 20 Novembro de 2019 | 09h43

UE condena assentamentos israelitas na Cisjordânia após decisão dos EUA

Bruxellas - Logo após os EUA mudarem a posição histórica sobre os assentamentos israelitas na Cisjordânia, a União Europeia (UE) reafirmou a sua condenação às colônias, afirmando que são "ilegais perante a lei internacional".

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

1 / 1

Federica Mogherini, Chefe da Diplomacia Europeia, Alta Representante da UE para Política Externa e Segurança (arquivo)

Foto: Angop/Arquivo

Bandeira da União Europeia

Foto: Rosário dos Santos

A Alta Representante da UE para Política Externa e Segurança, Federica Mogherini, disse ainda que os assentamentos dificultavam a busca por uma solução pacífica para o conflito entre Israel e Palestina.

"A posição da União Europeia sobre a política dos assentamentos no território ocupado da Palestina é clara e permanece inalterada: toda actividade dos assentamentos é ilegal perante a lei internacional e dificulta a viabilidade de uma solução de dois Estados e a possibilidade de uma paz duradoura, como reafirma a Resolução 233 do Conselho de Segurança da ONU", disse Mogherini nesta segunda-feira (18). 

Mais cedo, Os Estados Unidos afirmaram que não consideravam mais os assentamentos de Israel na Cisjordânia ocupada uma quebra do direito internacional.

A mudança foi anunciada pelo secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo. Segundo ele, os assentamentos não são "inconsistentes com o direito internacional". 

O chefe da diplomacia de Washington ainda criticou parecer de 1978 do Departamento de Estado que classifica os assentamentos como ilegais. Pompeo também falou que a politica de considerar a prática ilegal "não tinha funcionado". 

O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, por sua vez, disse que a medida consertava um "erro histórico". 

A Cisjordânia e Jerusalém Oriental são territórios reivindicados pelos palestinianos para estabelecer o seu próprio Estado. Cerca de 600 mil israelitas vivem em assentamentos em territórios ocupados da Palestina.

Assuntos Conflito  

Leia também