Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Internacional

03 Dezembro de 2019 | 18h58 - Actualizado em 03 Dezembro de 2019 | 18h58

China proíbe entrada de navios militares e veta ONGs dos EUA

Pequim - A China proibiu, nesta segunda-feira, o acesso de embarcações militares dos EUA a Hong Kong e impôs sanções a ONGs norte-americanas acusadas de encorajar manifestantes a cometer actos de violência.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Bandeira da China

Foto: Foto divulgação

As medidas são uma resposta à nova legislação norte-americana, aprovada na semana passada, que apoia aos protestos em Hong Kong e ameaça a China com sanções económicas.

"Conclamamos os EUA a corrigirem os seus erros e a deixarem de interferir nos nossos assuntos internos. Se necessário, a China tomará medidas adicionais para garantir a estabilidade [...] de Hong Kong e a soberania da China", disse a porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros chinês, Hua Chunying.

Há temor de que o impasse em relação a Hong Kong possa dificultar os esforços para acabar com a guerra comercial entre Washington e Pequim, reportou a Reuters.

Os navios de guerra norte-americanos visitam Hong Kong frequentemente, numa tradição anterior à transferência da soberania do território da Grã-Bretanha para a China, em 1997. Pequim permitiu que a tradição se mantivesse.

"Temos um longo histórico de visitas ao porto de Hong Kong", disse uma fonte do Departamento de Estados dos EUA. "Esperamos que isso continue", concluiu.

O porta-voz do Pentágono, tenente-coronel Dave Eastburn, disse que as visitas fazem parte de programa para "dar liberdade para os nossos marinheiros e expandir laços interpessoais com os nossos anfitriões".

Pequim impôs sanções a diversas organizações não governamentais (ONGs) sediadas nos Estados Unidos, alegando haver evidências de que as mesmas estariam a apoiar os protestos contra o governo e instigando manifestantes a cometerem actos de violência extrema em Hong Kong.

Essas ONGS devem "se responsabilizar pelo caos em Hong Kong, devem ser sancionadas e pagar o preço", disse Hua.

As entidades sancionadas são o Instituto Nacional Democrático para Assuntos Internacionais, o Instituto Republicano Internacional, a Human Rights Watch, a Freedom House e o Fundo Nacional para a Democracia (NED, na sigla em inglês).

Assuntos Política  

Leia também
  • 03/12/2019 15:59:51

    Der Leyen elogia Juncker por ter "cuidado bem da Europa"

    Bruxelas - A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, salientou hoje, em Bruxelas, que Jean-Claude Juncker foi o ?melhor cuidador que a União Europeia (UE) teve?, durante a cerimónia de passagem de testemunho do seu antecessor no cargo, realizada na capital belga.

  • 02/12/2019 19:29:20

    Parlamento iraquiano aceita renúncia do primeiro-ministro

    Bagdad - O Parlamento iraquiano aceitou formalmente a renúncia do primeiro-ministro neste domingo, mas o processo para substituir Adil Abdul-Mahdi está longe de estar concluído.

  • 02/12/2019 19:19:47

    Alemanha afasta militar suspeito de fazer saudação nazista

    Munique - A ministra da Defesa da Alemanha prometeu neste domingo tomar uma "acção decisiva" contra qualquer caso de radicalismo no Exército após a repercussão de que um membro da força de elite militar pode ser expulso.