Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Internacional

03 Dezembro de 2019 | 16h38 - Actualizado em 03 Dezembro de 2019 | 16h35

Conselho da Europa alerta que frio põe em risco vida de refugiados em campo bósnio

Sarajevo - O Conselho da Europa voltou hoje a exigir a evacuação urgente do campo de refugiados de Vucjak, no noroeste da Bósnia-Herzegovina, alertando que as centenas de pessoas que vivem no local em situação precária podem morrer devido ao frio.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

A exigência do Conselho da Europa foi feita por representantes deste órgão durante uma visita a este campo de refugiados, localizado junto à fronteira com a Croácia e que actualmente não tem água potável ou electricidade.

O apelo foi igualmente subscrito por representantes da Cruz Vermelha que também se deslocaram ao local.

“Vucjak devia ser fechado hoje. Se isso não for feito, as pessoas vão começar a morrer”, afirmou a comissária do Conselho da Europa para a área dos Direitos Humanos, Dunja Mijatovic, durante a visita ao campo, já classificado pelas Nações Unidas como “desumano” e onde estão actualmente cerca de 600 pessoas.

Segundo Dunja Mijatovic, muitas das pessoas que vivem em Vucjak começaram a rejeitar alimentos como forma de protesto contra as condições precárias do campo, mas, segundo frisou a representante, a situação poderá ficar cada vez pior por causa das baixas temperaturas que se fazem sentir naquela região.

Por exemplo, nos últimos dois dias, o peso da neve derrubou várias das tendas precárias que servem de abrigo aos refugiados.

A zona exterior do campo também está transformada num lamaçal por causa da mistura da terra com a água gelada.

A Organização Internacional das Migrações (OIM) já tinha alertado, em finais de Outubro, que muitas das pessoas que vivem em Vucjak poderiam morrer de frio e de fome durante o período do inverno.

O campo de Vucjak foi erguido de forma provisória num antigo aterro de lixo e perto de terrenos minados.

Selam Midzic, representante da Cruz Vermelha na cidade bósnia de Bihac, descreveu, por sua vez, a situação no campo como “horrível”.

“Estas pessoas não deviam passar aqui a noite. (…) Não sei se o campo será fechado hoje, mas a situação é muito difícil”, prosseguiu.

O representante da Cruz Vermelha, que lembrou que já tinha pedido o encerramento do campo antes da chegada do inverno, acrescentou ainda: “O boicote à comida dura desde a manhã, protestam contra as difíceis condições em que estão alojados. Estão a rejeitar os alimentos e o campo deve ser fechado”.

A par do Conselho da Europa e da Cruz Vermelha, também a União Europeia (UE) e as Nações Unidas têm pedido em diversas ocasiões o encerramento do campo de Vucjak.

As autoridades do cantão Unsko-Sanski, a zona mais afectada pela crise migratória na Bósnia-Herzegovina, reclamam desde Outubro último junto do Governo central bósnio uma urgente recolocação dos refugiados de Vucjak.

No passado dia 08 de Novembro, as autoridades bósnias garantiram estar já a trabalhar para o encerramento do campo de Vucjak e para a transferência das pessoas que ainda permanecem no local, mas não avançaram prazos concretos ou pormenores sobre as futuras instalações.

“Estamos a trabalhar para estabelecer outros centros de acolhimento fora do cantão Unsko-Sanski. É nossa prioridade encerrar assim que possível o campo de Vucjak e transferir os imigrantes para os novos campos”, disse então o ministro da Segurança bósnio, Dragan Mektic.

Mais de 43 mil migrantes, oriundos sobretudo do Médio Oriente, passaram no último ano por esta zona da Bósnia-Herzegovina, próxima da Croácia e uma potencial porta para conseguir entrar no espaço da UE.

Segundo os ‘media’ bósnios, a comissária do Conselho da Europa Dunja Mijatovic irá visitar também os campos de Bira e Miral, no mesmo cantão, e de Usivak, nas imediações da capital bósnia, Sarajevo, e fará um balanço das visitas e dos encontros institucionais na próxima sexta-feira.

O Conselho da Europa foi criado em 1949 para defender os Direitos Humanos, a Democracia e o Estado de Direito.

Assuntos Internacional  

Leia também