Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Internacional

03 Dezembro de 2019 | 19h39 - Actualizado em 04 Dezembro de 2019 | 09h57

Polícia brasileira investiga ameaças contra presidente Bolsonaro

Rio de Janeiro - A Polícia brasileira cumpriu no domingo dois mandados de busca e apreensão no Estado de Minas Gerais, visando o apuramento de um crime contra a segurança do Presidente do país, Jair Bolsonaro, foi anunciado nesta segunda-feira.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Jair Bolsonaro, Presidente do Brasil

Foto: Angop

No domingo foram cumpridos dois mandados de busca e apreensão no Estado de Minas Gerais, no âmbito de uma investigação que teve início após um homem ser detido depois de se ter referido, nas redes sociais, a um suposto plano que visava atentar contra o presidente brasileiro.

Os mandados foram cumpridos nas cidades de Três Corações e Alfenas, no Estado brasileiro de Minas Gerais.

"A investigação teve início após um homem ser detido, na última sexta-feira, por ter feito menção, nas redes sociais, 'postando' fotos e vídeos de um suposto plano que visava atentar contra o Presidente da República, Jair Messias Bolsonaro", informou a Polícia Federal brasileira, na segunda-feira, no seu 'site'.

Na data, o chefe de Estado realizava uma visita oficial à Escola de Sargentos das Armas (ESA), em Três Corações, por ocasião de solenidade de formatura do Curso de Sargentos.

De acordo com as autoridades, "o suspeito trabalhava como 'terceirizado' [em regime de 'outsorcing'] na ESA e aparecia em vídeos 'postados' nas redes sociais".

O crime em causa tem pena prevista de três a 10 anos de prisão, e a investigação encontra-se em segredo de Justiça.

Foi também em Minas Gerais, em Setembro do ano passado, que Jair Bolsonaro foi esfaqueado, durante a sua campanha eleitoral para presidente.

O atentado ocorreu durante um acto eleitoral na cidade brasileira de Juiz de Fora, no dia 6 de Setembro, quando o autor confesso do ataque, Adélio Bispo de Oliveira, fazendo-se passar por apoiante de Bolsonaro, esfaqueou o candidato no abdómen.

Bolsonaro ficou mais de três semanas internado no hospital Albert Einstein, na cidade brasileira de São Paulo, e já foi submetido a várias cirurgias.

Em 14 de Junho, o autor do ataque foi absolvido por ser considerado inimputável, mas foi-lhe determinado a manutenção do internamento.

O juiz federal Bruno Savino, da 3.ª Vara da Justiça Federal em Juiz de Fora, no Estado de Minas Gerais, determinou que Adélio Bispo de Oliveira não pode ser punido criminalmente, mantendo o seu internamento provisório na Penitenciária Federal de Segurança Máxima de Campo Grande, no Estado de Mato Grosso do Sul.

Segundo o magistrado, as perícias médicas concluíram que o autor do crime "é portador de transtorno delirante persistente".

Assuntos Polícia  

Leia também