Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Internacional

03 Dezembro de 2019 | 18h41 - Actualizado em 03 Dezembro de 2019 | 18h40

Portugal pode ajudar países da OTAN a entenderem-se, diz MNE

Londres - Portugal pode ajudar os países da OTAN a convergir e a entenderem-se, afirmou hoje o ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, em Londres, onde começa hoje a cimeira da Aliança Atlântica.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Logotipo da OTAN

Foto: Divulgação

"Contribuímos para a convergência porque cultivamos internamente o diálogo, moderação, equilibro, e isso são componentes de que a OTAN precisa muito e beneficia. Países da dimensão de Portugal são necessários para a Aliança por causa desta atitude de equilíbrio e aproximação", afirmou aos jornalistas.

O chefe da diplomacia portuguesa respondia a perguntas sobre as críticas hoje do Presidente dos EUA, Donald Trump, ao homólogo francês, Emmanuel Macron.

Numa entrevista à revista britânica The Economist no início de Novembro, o Presidente francês, Emmanuel Macron, considerou que "a OTAN está em morte cerebral" e sugeriu o desenvolvimento de uma defesa europeia autónoma, mas hoje Trump considerou que as declarações de Macron foram "muito desagradáveis" e "muito insultuosas".

Apesar desta troca de palavras, o ministro dos Negócios Estrangeiros português acredita que na cimeira vai prevalecer um clima de unidade.

"Podemos ter diferenças de tom, podemos ter diferenças de estratégias comunicacionais, mas convergimos no essencial, e para que essa convergência seja possível, é muito importante a posição de países como Portugal", afirmou aos jornalistas.

O projecto de declaração política, adiantou, vai abordar temas como o empenho de todos na Aliança, a cooperação com a União Europeia e Nações Unidas, a luta comum contra o terrorismo internacional e a estratégia de duplo registo com a Rússia, combinando a dissuasão militar necessária e com um diálogo político.

"Temos um inimigo de todos que é o terrorismo internacional, temos desde 2014 a nova ameaça protagonizada por uma conduta agressiva da Rússia, designadamente com a anexação ilegal da Crimeia, e temos a necessidade de compreender melhor o que está a acontecer no mundo e as questões que se colocam à Aliança", vincou.

Augusto Santos Silva acompanha o primeiro-ministro, António Costa, que vai reunir-se com líderes de 29 outros países que participam a partir de hoje numa cimeira da OTAN em Londres, coincidindo com o 70.º aniversário da aliança militar que protege cerca de mil milhões de pessoas.

Além de um balanço do papel da OTAN na luta contra o terrorismo, nomeadamente avaliando missões no Iraque e no Afeganistão e o papel na prevenção do ressurgimento do Estado Islâmico e de outros grupos terroristas, vão debater a resposta da OTAN à violação do Tratado de Forças Nucleares de Alcance Intermédio (INF) por parte da Rússia, as implicações da ascensão da China e as ameaças à cibersegurança.
 
 

Assuntos Defesa  

Leia também