Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Internacional

03 Dezembro de 2019 | 13h53 - Actualizado em 03 Dezembro de 2019 | 13h53

Primeiro-ministro da Finlândia demitiu-se

Helsínquia - O primeiro-ministro da Finlândia, Antti Rinne, demitiu-se hoje depois de um dos partidos que integram a coligação de governo, o Partido do Centro, lhe ter retirado a confiança, noticiou a Lusa.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

À frente desde Junho de uma coligação de centro-esquerda constituída por cinco partidos, Rinne, do Partido Social-Democrata (SDP), apresentou ao final da manhã de hoje a demissão ao Presidente finlandês, Sauli Niinisto.

O anúncio implica a renúncia formal do executivo, integrado pelo SDP, o Partido do Centro, os Verdes, a Aliança de Esquerda e o Partido Popular Sueco da Finlândia.

O SDP deve agora designar um candidato para lhe suceder e formar um novo governo, sujeito a votação no parlamento na próxima semana (Eduskunta).

Sanna Marin, vice-presidente do partido e ministra dos Transportes, anunciou estar disponível.

Ouvida pela agência France-Presse, a politóloga Sini Korpinen, considerou que não é do interesse de nenhum dos partidos no governo desfazer a coligação, particularmente o Partido do Centro, "que não quer novas eleições legislativas porque corre o risco de ter um resultado pior".

A crise partiu de um projecto dos Correios da Finlândia (Posti), empresa de capitais públicos, de passar cerca de 700 trabalhadores para um novo acordo colectivo, menos favorável, em nome da competitividade.

A questão suscitou logo em Setembro fortes críticas à ministra com a tutela das participações do Estado, Sirpa Paatero, membro do partido de Antti Rinne.

A crise agravou-se em Novembro quando os sindicatos convocaram uma greve de duas semanas.

O movimento em causa é muito representativo e tem o apoio de trabalhadores de outros sectores económicos, que suspenderam o trabalho "por simpatia", como permite a legislação finlandesa.

Os sindicatos exigem saber se o Estado, accionista maioritário, aprovou o projecto.

A ministra fez várias declarações ambíguas e, a 28 de Novembro, o primeiro-ministro foi chamado a explicar-se, tendo negado que o governo tivesse aprovado o projecto da direcção dos Correios, o que foi contudo desmentido no dia seguinte pelo presidente do conselho de administração da empresa.

Antti Rinne reagiu anunciando a demissão da ministra, mas partidos da coligação consideraram a decisão tardia e exigiram votar uma moção de confiança no parlamento.

Com a demissão, a moção fica sem efeito.

Assuntos Governação  

Leia também
  • 03/12/2019 09:21:44

    Pompeo defende retenção militar dos EUA

    Washington - O secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo, defendeu segunda-feira a "retenção" militar dos Estados Unidos na Venezuela, excluindo uma eventual intervenção armada para expulsar o Presidente venezuelano, Nicolás Maduro, noticiou a Lusa.

  • 03/12/2019 08:17:13

    Argentina impediu a entrada de sindicalistas afectos ao Governo de Maduro

    Buenos Aires - As autoridades de emigração da Argentina impediram segunda-feira a entrada no país de dois sindicalistas venezuelanos, afectos ao Governo do Presidente Nicolás Maduro, noticiou a Lusa.

  • 02/12/2019 11:41:33

    Boris Johnson defende pena mínima para terroristas

    Londres - O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, defendeu domingo penas mínimas de 14 anos para crimes terroristas, dois dias após um ataque que matou duas pessoas na Ponte de Londres, tendo sido acusado de usar o atentado com fins políticos, noticiou a Lusa.