Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Internacional

12 Dezembro de 2019 | 15h49 - Actualizado em 12 Dezembro de 2019 | 15h49

Manifestantes espancam e enforcam homem em de Bagdad

Badgad - Um atirador foi hoje desarmado e enforcado por manifestantes antigovernamentais após ter morto a tiro seis pessoas numa praça central de Bagdad, afirmaram fontes oficiais.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

O incidente foi condenado pelo movimento de protesto que se concentra na praça Tahrir, o epicentro do movimento, ao referir que os indivíduos que mataram o homem armado não integram as suas manifestações pacíficas.

Os responsáveis oficiais referiram que o atirador, procurado por suspeitas de tráfico de droga, estava a ser perseguido por agentes da policia quando disparou por diversas vezes, provocando a morte de dois comerciantes e ainda de quatro manifestantes perto da praça Wathba, em Bagdad.

Alguns manifestantes manietaram o homem e desarmaram-no. Depois espancaram-no e dependuraram-no num posto de sinalização de trânsito.

O influente clérigo xiita Muqtada al-Sadr referiu de seguida que caso não sejam identificados os autores desta execução pública, vai ordenar à sua milícia, Saraya Salam, que abandone a praça.

Os membros do Sarai Salam (Brigadas da Paz), também identificados de “bonés azuis”, foram enviadas para a praça com o objectivo de proteger os manifestantes.

Pelo menos oito pessoas ficaram feridas, acrescentaram os mesmos responsáveis, que pronunciaram-se sob anonimato.

Os manifestantes da praça Tahrir emitiram uma declaração colectiva numa tentativa de demarcarem este violento incidente dos objectivos pacíficos dos seus protestos.

"Não podemos permitir que a imagem da nossa pura revolução seja distorcida, e desta forma declaramos que somos manifestantes pacíficos face ao que sucedeu esta manhã na praça Wathba", indica o manifesto.

A praça Wathba situa-se perto da praça Tahrir, o epicentro do movimento de protesto, e tem sido palco de recentes violências. Pelo menos 31 manifestantes forma mortos na quarta-feira, quando forças de segurança dispararam gás lacrimogéneo para tentar dispersá-los do local.

O incidente de hoje ocorreu após diversas acções violentas perpetradas por grupos desconhecidos e que colocaram os manifestantes numa situação de grande fragilidade, e comprovaram a ineficácia das forças de segurança em evitar esses ataques.

Na passada sexta-feira, 25 manifestantes foram mortos quando homens armados transportados em carrinhas de caixa aberta dispararam balas reais na praça Khilani.

O incidente ocorreu em paralelo com misteriosos atentados com facas e diversos raptos na praça Tahrir dirigidos aos manifestantes, que acusam milícias pró-iranianas por estes ataques.

Assuntos Mortos  

Leia também
  • 22/11/2019 18:05:35

    Pelo menos três mortos e 98 detidos nos protestos na Colômbia

    Bagotá - Pelo menos três pessoas morreram e outras 98 foram detidas durante os protestos de quinta-feira na Colômbia contra as políticas sociais e económicas do presidente, Iván Duque, segundo um comunicado hoje divulgado pelo ministério da defesa.

  • 21/11/2019 17:40:02

    Cerca de uma centena e meia de campas descobertas num liceu

    Flórida - Cento e quarenta e cinco campas de afro-americanos foram encontradas debaixo de um liceu localizado em Tampa, no estado norte-americano da Florida, noticiou hoje a BBC.

  • 21/11/2019 15:33:11

    Conflito entre polícias e manifestantes deixa mais três mortos em Bagdad

    Bagdad - Pelo menos três pessoas morreram e outras 20 ficaram feridas nesta quinta-feira, em Bagdad, quando as forças de segurança do Iraque tentavam dispersar um grupo de manifestantes que montaram uma barricada numa ponte em Bagdad, confirmou à Agência Efe a partir duma fonte do Ministério do Interior que pediu anonimato.