Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Internacional

16 Dezembro de 2019 | 15h58 - Actualizado em 16 Dezembro de 2019 | 15h59

Protestos anti-governamental no Irão provocaram mais de 300 mortos

Londres - Pelo menos 304 pessoas foram mortas no Irão, nos protestos antigovernamentais em Novembro, e a repressão ainda continua contra críticos do regime, de acordo com um relatório divulgado hoje pela Amnistia Internacional (AI).

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

As vítimas formam mortas nas manifestações que duraram cerca de quatro semanas em várias cidades do Irão, em Novembro, protestando contra um forte aumento do preço da gasolina, sob forte repressão por parte das autoridades.

A AI revelou hoje que as forças de segurança iranianas abriram fogo contra os manifestantes desarmados, matando pelo menos 304 pessoas e prendendo vários milhares, numa repressão violenta que atingiu, entre outros, jornalistas, estudantes e activistas de direitos humanos.

"As autoridades iranianas continuam a repressão feroz após os protestos de 15 de Novembro, prendendo manifestantes (...) para impedir que digam o que pensam, nesta acção implacável", denunciou a organização, num comunicado de síntese do relatório hoje divulgado.

A Amnistia Internacional diz que recebeu informações de várias fontes independentes segundo as quais, um mês após o início da agitação popular, "as forças de segurança continuam a prender pessoas em todo o país", incluindo jovens menores de 15 anos, colocados em "centros de detenção sobrelotados".

A AI diz ter recolhido o depoimento de dezenas de testemunhas que confirmam que "as autoridades iranianas, quase imediatamente após o massacre de centenas de pessoas (...) implementaram uma repressão em larga escala, destinada a inspirar o medo de falar abertamente sobre o que ocorreu".

A organização diz ainda que há dezenas de pessoas vítimas de "desaparecimento forçado" e "detenções incomunicáveis".

Contudo, até agora, o governo iraniano apenas reconheceu a existência de cinco morte: quatro polícias e um civil, quando da divulgação de um balanço oficial baseado em dados do instituto forense nacional.

A AI pede ao Irão a "libertação imediata e incondicional de todos aqueles que foram arbitrariamente detidos" e insta a comunidade internacional a protestar de forma veemente contra a sistemática violação de direitos humanos.

Assuntos Mortos  

Leia também