Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Internacional

14 Maio de 2019 | 11h58 - Actualizado em 14 Maio de 2019 | 11h58

EUA estudam envio de 120 mil soldados devido a tensões com o Irão, diz "NYT"

Washington - O chefe interino do Pentágono, Patrick Shanahan, apresentou na semana passada um plano para mobilizar até 120 mil soldados dos Estados Unidos no Médio Oriente, diante da crescente tensão com o Irão, informou nesta terça-feira o jornal "The New York Times".

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Shanahan apresentou o plano numa reunião na última quinta-feira, na qual participaram os principais conselheiros em segurança nacional do presidente dos EUA, Donald Trump, embora não esteja claro se o governante foi informado, segundo o "NYT".

Entre os que participaram da reunião estava o conselheiro de Segurança Nacional da Casa Branca, John Bolton, que desde sua chegada ao círculo de confiança de Trump promoveu uma política de confronto com Teerão.

O plano não contempla uma invasão ao Irão, para a qual mais tropas seriam necessárias, segundo o jornal nova-iorquino.

Segunda-feira, Trump alertou ao Irão que "sofrerá muito", se agir contra os interesses dos Estados Unidos, num momento de fortes tensões entre os dois países, e de atritos entre Teerão e os seus vizinhos no Golfo Pérsico.

"Se fizerem algo, será um erro muito grave. Será um grande problema para o Irão se algo acontecer, posso dizer, eles não ficarão felizes", respondeu Trump, ao ser perguntado sobre o aumento da tensão no Golfo Pérsico.

"Se eles fazem alguma coisa, eles vão sofrer muito, eles sabem o que quero dizer", acrescentou.

Desde a sua chegada à Casa Branca, há mais dois anos, Trump optou pela estratégia prometida na campanha para retirar as tropas americanas de países do Médio Oriente, como a Síria e Afeganistão.

A tensão no Golfo Pérsico aumentou, no entanto, desde que Washington anunciou em Abril o fim das isenções que tinha concedido a oito nações ou territórios para que seguissem comprando petróleo do Irão.

Como consequência, as autoridades iranianas ameaçaram bloquear o estratégico Estreito de Ormuz, que atravessa grande parte do petróleo mundial, se as sanções impostas pelos EUA, após se retirar do acordo nuclear de 2015, impedir suas exportações de petróleo, vitais para a economia do país.

Assuntos Diplomacia  

Leia também