Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Internacional

16 Maio de 2019 | 14h38 - Actualizado em 16 Maio de 2019 | 19h20

Irão descarta possibilidade de diálogo com Estados Unidos

Tóquio - O Ministro iraniano dos Negócios Estrangeiros, Mohamad Javad Zarif, descartou nesta quinta-feira, em Tóquio, qualquer possibilidade de negociação com os Estados Unidos para diminuir a tensão no Golfo Pérsico.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Bandeira do Irão

Foto: Divulgação

"Não, não há possibilidade de negociações", respondeu Zarif, durante uma visita a Tóquio, após ser questionado sobre a chance de um diálogo bilateral com os EUA para diminuir a tensão, informou a agência japonesa Kyodo.

Antecipadamente, o chanceler iraniano acusou o governo dos Estados Unidos de provocar um aumento "inaceitável" de conflitos.

"Actuamos com máxima moderação", declarou Zarif, em referência à reacção do seu país à decisão tomada em 2018 pelo presidente apericano Donald Trump de retirar os Estados Unidos do acordo nuclear de 2015, que evita o Irão de produzir armas atômicas.

O governante afirmou que o seu país mantém o "compromisso" com a comunidade internacional no âmbito do acordo.

A tensão aumentou nas últimas semanas após os EUA enviarem ao Médio Oriente um porta-aviões e  mísseis Patriot, por temer que o Irão ameaçe os seus interesses na região.

Apesar dessa situação, Donald Trump voltou a pedir o diálogo. "Tenho certeza de que o Irão vai querer conversar em breve", escreveu na quarta-feira no Twitter.

Apesar da campanha de "máxima pressão", esta não é a primeira vez que Trump cita uma possível negociação. O presidente americano advertiu na segunda-feira as autoridades iranianas sobre qualquer acto hostil. "Se fizerem algo, vão sofrer muito", alertou.

Assuntos Diplomacia  

Leia também