Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Internacional

12 Junho de 2019 | 11h06 - Actualizado em 12 Junho de 2019 | 11h06

Adiado debate sobre lei de extradição em Hong Kong

Hong Kong - O Governo de Hong Kong, China, adiou hoje (11) um debate no Conselho Legislativo sobre a proposta de lei da extradição, noticiou a Lusa.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Bandeira da China

Foto: Foto divulgação

Uma nota de imprensa do Governo refere que a sessão de debate no Conselho Legislativo (LegCo, parlamento local), que devia ter começado às 11:00 local, foi adiada para "hora posterior a ser determinada".

De acordo com outro comunicado, os acessos às instalações do Governo foram bloqueados e os funcionários aconselhados a não irem trabalhar.

Junto ao parlamento, os milhares de protestantes contra o documento concentrados junto ao edifício, sobretudo jovens, gritavam palavras de ordem como: "Não à China!" e "Precisamos de democracia!".

Alguns dos manifestantes que falaram à agência Lusa disseram estarem dispostos a permanecer no local até que o Governo recue na intenção de avançar com as alterações à lei da extradição.

É a segunda manifestação em massa no território em menos de uma semana.

Proposto em Fevereiro e com uma votação final prevista para antes do final de Julho, o texto permitirá que a chefe do Executivo e os tribunais de Hong Kong processem pedidos de extradição de jurisdições sem acordos prévios.

Os defensores da lei argumentam que caso se mantenha a impossibilidade de extraditar suspeitos de crimes para países como a China tal poderá transformar Hong Kong num “refúgio para criminosos internacionais”.

As opositores dizem temer que Hong Kong fique à mercê do sistema judicial chinês como qualquer outra cidade da China continental e de uma justiça politizada que não garanta a salvaguarda dos direitos humanos.

Assuntos Manifestações  

Leia também